FBI foi alertado sobre atirador da Flórida há cinco meses

Comentário deixado por Nikolas Cruz em vídeo no YouTube chamou atenção de internauta, que avisou a polícia em setembro passado

Por Da redação - Atualizado em 16 fev 2018, 10h23 - Publicado em 15 fev 2018, 14h49

O FBI foi alertado sobre o comportamento violento do atirador Nikolas Cruz, que matou 17 pessoas em uma escola na Flórida na quarta-feira, informou a imprensa americana.

Segundo o BuzzFeed News, Cruz deixou um comentário em um vídeo postado no YouTube em setembro do ano passado, em que dizia: “Eu serei um atirador de escola profissional”. O dono do canal onde a mensagem foi escrita, Ben Bennight, comunicou a polícia federal americana sobre o comentário.

Bennight também enviou um print da página ao FBI e alertou o próprio YouTube, que apagou o comentário imediatamente. O youtuber afirma que a mensagem foi escrita por um usuário chamado Nikolas Cruz.

Contudo, segundo Bennight, agentes entraram em contato com ele assim que o alerta sobre o comentário foi feito. No dia seguinte, 25 de setembro, foram até seu escritório e o interrogaram por 20 minutos, também segundo o BuzzFeed americano.

Publicidade

“Eles vieram ao meu escritório na manhã seguinte e perguntaram se eu sabia alguma coisa sobre a pessoa [que escreveu o comentário]”, afirmou ao site. “Eu não sabia nada. Eles pegaram uma cópia do print e foi a última vez que tivemos contato.”

O FBI voltou a procurar Bennight na quarta-feira, após o tiroteio na escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas, na cidade de Parkland. A agência federal americana, contudo, ainda não se pronunciou publicamente sobre o caso ou confirmou a versão do youtuber.

Acusações de homicídio

Cruz enfrenta 17 acusações de homicídio premeditado, segundo a Promotoria do Estado da Flórida. Ele deve comparecer diante de um tribunal ainda nesta quinta-feira.

Nicolas, de 19 anos, era ex-aluno da Marjory Stoneman Douglas e invadiu a escola atirando contra estudantes e professores. A polícia acredita que ele agiu sozinho.

Publicidade

O adolescente estava armado com um fuzil do tipo AR-15 e tinha diversos carregadores de balas quando se entregou para policiais em uma área residencial próxima. Ele amava armas e foi expulso da escola por razões disciplinares não especificadas, disseram ex-colegas e a polícia.

‘Perturbação mental’

O presidente Donald Trump atribuiu o tiroteio a uma perturbação mental e à falta de vigilância. “Tantos sinais de que o atirador da Flórida era um perturbado mental, expulso, inclusive, da escola por sua conduta má e errática. Os vizinhos e os colegas de turma sabiam que era um grande problema. É preciso informar esses casos às autoridades sempre, de novo e de novo!”, tuitou o presidente americano nesta quinta-feira.

Trump não mencionou em momento algum o problema das armas de fogo, apesar de Cruz estar armado com uma AR-15 e vários carregadores quando invadiu a escola. O presidente ainda não havia falado publicamente sobre a tragédia.

Suspeitas

O comportamento de Cruz também já despertava suspeitas de colegas e professores. Segundo os colegas, ele era quieto e não aparentava ter amigos. Um outro aluno que já havia feito um trabalho em grupo com o atirador, afirmou em entrevista à CNN, que ele gostava de contar sobre como havia sido expulso de duas outras escolas e expressava seu interesse em se juntar ao Exército.

Publicidade

Nikolas Cruz vivia com uma família de amigos de sua mãe desde que esta faleceu em novembro em decorrência de uma pneumonia. O pai do rapaz morreu há alguns anos devido a um ataque no coração. A família não tem dado declarações à imprensa.

Investigando o passado e as ações do atirador, a polícia também tem encontrado uma série de outras postagens e comentários na internet com conteúdo “muito, muito perturbador”, segundo o xerife do condado de Broward, Scott Israel.

Em suas redes sociais, Cruz possui diversos conteúdos sobre armas e expressava vontade de atirar em pessoas e policiais. No YouTube, policiais encontraram comentários como “Eu quero atirar em pessoas com minha AR-15 (um rifle civil)” e “Eu vou matar policiais um dia, eles vão atrás de pessoas boas”.

No Instagram, ele postava fotos de diversas armas e dele mesmo portando facas. O perfil foi bloqueado após o tiroteio. Segundo o jornal The New York Post, Cruz afirmava que tiroteio era uma “terapia grupal”. Ele utilizava uma camiseta preta para cobrir parte do rosto na maioria das fotos.

Publicidade

(Com AFP e Reuters)

Publicidade