Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

FBI abre investigação sobre morte de adolescente negro

Michael Brown, de 18 anos, foi baleado por um policial em circunstâncias não esclarecidas. Caso provocou protestos e confrontos com a polícia no Missouri

Por Da Redação 12 ago 2014, 18h40

O FBI abriu uma investigação sobre a morte do jovem negro Michael Brown, de 18 anos, ocorrida no subúrbio de Saint Louis, no Missouri, sábado passado. A polícia federal americana vai apurar se o caso envolve a violação de algum direito civil. Com a decisão, a morte de Brown repete o roteiro do assassinato do adolescente Trayvon Martin, em fevereiro de 2012, que reavivou o debate racial nos Estados Unidos e também foi explorado politicamente.

“Buscar ativamente investigações como esta é essencial para preservar a confiança entre as autoridades policiais e as comunidades a que elas servem”, disse o secretário de Justiça, Eric Holder, acrescentando que o FBI e a Divisão de Direitos Civis do Departamento de Justiça vão trabalhar em conjunto com a polícia local no caso.

Leia também:

Vigia é absolvido, mas governo Obama insiste em investigação

Trayvon Martin poderia ter sido eu, diz Obama sobre jovem morto

As autoridades de Saint Louis afirmam que Brown foi baleado depois de um “confronto físico” com um policial em uma viatura. O rapaz teria agredido o oficial e tentado pegar sua arma. Ao menos um tiro foi disparado de dentro do veículo e o policial, que não foi identificado, atirou outras vezes após sair do carro. No entanto, autoridades e grupos de defesa dos direitos civis pediram uma investigação completa e questionaram a tática da polícia, uma vez que o jovem estava desarmado.

A morte de Michael Brown provocou vários protestos na região em que ele morava com os pais. Nos últimos dois dias, as manifestações terminaram em confrontos com a polícia. No domingo, ao menos 32 pessoas foram presas e milhares de chamadas relacionadas à desordem pública foram feitas às autoridades. Relatos de testemunhas incluem tiros disparados e saques a grandes estabelecimentos comerciais, como o Walmart. “Tivemos um tremendo prejuízo à propriedade (privada). No entanto, não registramos feridos ou mortos”, afirmou o chefe de polícia local, Jon Belmar.

Na noite de segunda-feira, policiais usaram gás lacrimogêneo para conter os manifestantes. Nesta terça, o pai do jovem pediu o fim da violência e disse que quer justiça para o filho, mas “do jeito certo”. A família Brown contratou Benjamin L. Crump, o mesmo advogado que representou os parentes de Trayvon Martin, morto por um vigia comunitário – que foi absolvido.

Continua após a publicidade

Publicidade