Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Farc se apossaram de terras na Colômbia, assim como os paramilitares

Por Cesar Carrion 8 jan 2012, 18h09

A guerrilha comunista colombiana da Farc se apossou ilegalmente de terras, em “igual ou pior” proporção que os grupos paramilitares de extrema direita, garantiu neste domingo o funcionário responsável por aplicar uma lei de devolução de terras.

Álvaro Balcázar, diretor da Unidade de Consolidação e Reconstrução Territorial, disse ao jornal “El Tiempo”, de Bogotá, que as Farc possuem fazendas de 5.000 a 42.000 hectares, por meio de testas de ferro.

“A apropriação (de terras) das Farc é igual ou pior (a dos paramilitares). Os grupos guerrilheiros baseiam sua permanência no controle do território”, disse Balcázar.

No dia 1º de janeiro, entrou em vigor uma lei que busca devolver entre 1,5 milhão e 2 milhões de hectares de terra aos desalojados pelo conflito interno armado com que a Colômbia sofre há cerca de meio século, com a ação de guerrilhas, paramilitares e narcotráfico.

Segundo o governo de Juan Manuel Santos, que incentivou essa lei, dentro de uma iniciativa para reparar os danos causados aos prejudicados pelo conflito colombiano, as vítimas de grupos guerrilheiros, paramilitares e de agentes da força pública a partir de 1985 (cerca de 4 milhões de pessoas) serão indenizadas, e os desalojados pela força a partir de 1991 (cerca de 400.000 famílias) serão restituídos.

De acordo com Balcázar, as Farc se apropriaram de terras especialmente nos departamentos (províncias) de Meta (centro) e Caquetá (sul). Ele informou que, nessas regiões, como em outras onde a guerrilha “ainda tem o controle do território”, é muito difícil devolver a terra aos camponeses, por temor de represálias.

O funcionário explicou que uma das formas pelas quais as Farc se apoderam de terras é levando as crianças e as famílias, que se negam a sair. “Se não há um Estado que as proteja, as pessoas acabam fazendo o que as Farc necessitam que elas façam, não por vontade, mas sim pressionadas pela ameaça e a intimidação”, observou.

Balcázar reconheceu que a ausência do Estado em muitas regiões do país favoreceu a apropriação de terras por parte dos grupos armados ilegais. Segundo o Ministério da Defesa, as FARC – com 47 anos de luta armada contra o Estado- contam com entre 8.000 e 9.000 combatentes.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)