Clique e assine com 88% de desconto

Farc atacam posto militar e policial em cidade colombiana

Por Da Redação - 27 fev 2012, 13h21

Bogotá, 27 fev (EFE).- A Sexta Frente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) deu início na madrugada desta segunda-feira a um ataque com artefatos e bombas artesanais contra os postos policial e militar do centro da cidade de Caldono, no departamento colombiano de Cauca.

O secretário do Governo do município, Carlos Pascué, informou à imprensa local que não conseguiu sair de casa pela intensidade dos ataques.

‘As Farc estão cometendo ataques desde 5h20 (horário de Brasília) com morteiros e bombas. Estamos sobrevoando o local com os helicópteros de autoridades, mas é muito complicada a situação em Caldono’, afirmou Pascué na emissora colombiana ‘Caracol Radio’.

Pascué declarou à ‘RCN Radio’ que pelas circunstâncias não foi possível chegar ao local para constatar o número de guerrilheiros na ação e os presentes nas ruas.

Publicidade

De acordo com ele, uma cabine da Polícia está no meio da estrada e é possível perceber medo a partir da população, que em alguns casos começaram a deixar as partes altas em busca de abrigo.

Alguns moradores se esconderam em um convento enquanto outros preferiram não deixar suas casas. Até o momento não há informações sobre policiais feridos ou civis.

Pascué destacou que as autoridades enviaram reforços da capital de Cauca, Popayán, e de Cali, capital do departamento vizinho de Vale del Cauca.

Já Ferney Silva, secretário pessoal do Governador do Cauca, Temístocles Ortega, disse à Agência Efe que está sendo organizado em Popayán um conselho de segurança que nas próximas horas contará com a presença do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos.

Publicidade

No domingo, as Farc anunciaram por meio de comunicado em seu site a decisão de renunciar aos ‘sequestros de pessoas’ com objetivos financeiros e colocar em liberdade os últimos dez policiais que mantêm reféns.

O Governo colombiano sempre condicionou a possibilidade de diálogo à entrega dos sequestrados, o que levou o presidente Santos a avaliar a iniciativa no domingo como ‘um passo importante e necessário na direção correta, mas não suficiente ‘.

Em fevereiro, Cauca foi alvo de vários ataques atribuídos às Farc contra policiais, que também deixou vítimas entre os civis. EFE

Publicidade