Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Famílias começam a dizer adeus às vítimas do massacre

Atirador matou a mãe e deixou 20 crianças e seis adultos mortos em uma escola

Por Da Redação 17 dez 2012, 11h49

Nesta segunda-feira, as primeiras vítimas do massacre na escola infantil Sandy Hook, em Newtown, Connecticut, começam a ser veladas. O atirador, identificado pela polícia como Adam Lanza, matou a própria mãe, Nancy Lanza, antes de se dirigir ao colégio. No local, deixou seis adultos e 20 crianças de seis e sete anos mortos na sexta-feira passada, e depois se suicidou. Segundo o jornal local Hartford Courant, James Mattioli, 6 anos, Jack Pinto, 6, e Noah Pozner, 6, serão enterrados nesta segunda-feira.

Já o funeral de Jessica Rekos, 6 anos, será realizado na terça-feira, e os de Chase Kowalski, 7, Caroline Previdi, 6, e Victoria Soto, 27, serão na quarta. Catherine Hubbard, 6, será enterrada na quinta-feira, e Dylan Hockley, 6, terá um funeral privado, sem data anunciada. Informações sobre o enterro de Ana M. Marquez-Greene, 6, ainda não foram anunciadas.

Na noite de domingo, o presidente Barack Obama, ao se pronunciar em uma cerimônia de homenagem às vítimas do massacre, admitiu que os Estados Unidos não estão fazendo o bastante para proteger suas crianças e prometeu lançar uma campanha na próxima semana para reduzir a violência no país. “Não podemos mais tolerar isso. Essas tragédias precisam acabar”, disse Obama.

Leia também:

Leia também: Senadores vão apresentar projeto para controle de armas

Continua após a publicidade

Memória – A diretora da escola primária, Dawn Hochsprung, também foi uma das vítimas do atirador enquanto tentava detê-lo. Em entrevista à rede CNN, o marido de Dawn, George, conta que, num primeiro momento, ficou irritado quando soube que a mulher colocou sua vida em perigo. Ela se jogou sobre o assassino para tentar deter o massacre, antes que Adam Lanza atirasse nela.

Dawn Hochsprung estava em uma reunião na manhã de sexta-feira quando o tiroteio teve início na entrada da escola, e dois professores que estavam presentes relataram a George o que ocorreu. “Eles ouviram tiros, e alguém fechou a janela. Uma pessoa entrou no prédio, pelo corredor, e Dawn nos disse para nos escondermos”, contaram os professores, de acordo com George.

A diretora e pelo menos um professor saíram e tentaram conter o assassino. “Não sei de onde ela tirou essa ideia. Dawn media 1,59 metro”, disse o marido. “Dawn se colocou em perigo. E fiquei irritado com isso”, acrescentou. “Ela poderia ter evitado isso. Mas não o fez. Agora não estou mais irritado. Só estou muito triste”, completou.

Leia mais:

Leia mais: ‘Pensei que todos íamos morrer’, diz professora que salvou alunos

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês