Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Facebook suspenderá anúncios políticos após fechamento das urnas nos EUA

Entre medidas está remoção temporária de anúncios políticos de plataforma após fechamento das urnas no dia da eleição presidencial, em 3 de novembro

Por Da Redação 7 out 2020, 20h08

O Facebook anunciou nesta quarta-feira, 7, que irá remover temporariamente todos os anúncios políticos de sua plataforma após o fechamento das urnas no dia da eleição dos Estados Unidos, em 3 de novembro. Em uma campanha para reprimir desinformação, a empresa também irá remover publicações que envolvam intimidações a eleitores ou autoridades eleitorais.

“Embora os anúncios sejam uma forma importante de expressar voz, planejamos interromper temporariamente a veiculação de todos os anúncios sobre questões sociais, eleitorais ou políticas nos Estados Unidos após o encerramento das urnas em 3 de novembro, para reduzir as oportunidades de confusão ou abuso”, afirmou a rede social em um comunicado. “Notificaremos os anunciantes quando esta política for suspensa”.

De acordo com a empresa, reivindicações de vitória por parte de candidatos antes da divulgação de resultados oficiais serão marcadas com informações sobre a situação da corrida. A rede social já havia afirmado que irá parar de aceitar novos anúncios políticos uma semana antes da eleição. 

No mês passado, a Alphabet, empresa-mãe do Google, anunciou uma medida similar de bloquear propagandas relacionadas às eleições após o fechamento das urnas por um período indefinido. As decisões desta quarta-feira se somam a uma lista de ações tomadas recentemente pelo Facebook, que já proíbe a publicação de anúncios que façam referência a supostas fraudes eleitorais.

A gigante da Internet, sediada na Califórnia, tem estado sob pressão para evitar ser usada para a disseminação de desinformação e como instrumento de polarização, como ocorreu durante as eleições presidenciais de 2016.

As políticas contra a intimidação a eleitores instituídas pelo Facebook quatro anos atrás foram expandidas de forma consistente para abranger novas táticas para intimidar ou evitar a votação, segundo a vice-presidente de conteúdo, Monika Bickert.

“À medida que nos aproximamos dos últimos dias desta eleição, sabemos que veremos picos nos esforços de intimidar eleitores”, admitiu Bickert. Segundo ela, o endurecimento de regras desta quarta-feira inclui vetar postagens com referências a armas ou exércitos, encorajando pessoas a monitorar seções de votação no dia da votação.

Continua após a publicidade

Na terça-feira 6, a empresa bloqueou todas as contas ligadas ao movimento conspiracionista QAnon, tanto na rede social principal quanto em sua comunidade de compartilhamento de imagens, o Instagram. A medida acelera os esforços do Facebook de reprimir campanhas de desinformação, algumas delas endossadas pelo presidente americano, Donald Trump

Em agosto, a empresa já havia eliminado centenas de grupos vinculados à teoria da conspiração de extrema direita QAnon e impôs restrições a cerca de outras 2.000 como parte de uma ofensiva contra um aumento de publicações que iam contra as suas diretrizes. O endurecimento desta semana, no entanto, veio após a empresa notar que, apesar de ter eliminado publicações que promoviam violência diretamente, as mensagens dos seguidores do movimento foram adaptadas para evitar restrições. 

Também na terça-feira, Trump teve uma publicação excluída do Facebook e ocultada do Twitter por “espalhar informações enganosas e potencialmente prejudiciais”, segundo as redes sociais. No texto, publicado após sua alta do hospital por Covid-19, Trump afirmava que a doença era “menos letal” do que a gripe.

No Twitter, a postagem fica escondida atrás do alerta de informação enganosa, enquanto o Facebook a removeu completamente da plataforma.

“Removemos informações incorretas sobre a gravidade da Covid-19 e agora removemos esta postagem”, disse Andy Stone, gerente de comunicações de políticas do Facebook.

Ambas as empresas prometeram combater notícias falsas e potencialmente perigosas sobre o coronavírus. Esta é a segunda vez que o Facebook exclui uma postagem do presidente – o Twitter se mostrou mais frequente, com exclusões e avisos. Trump acusa as empresas de editorialização, ou seja, de alterarem o conteúdo de acordo com a opinião das organizações.

O Partido Republicano, do presidente, diz que empresas de mídias sociais fazem censura direta das opiniões conservadoras. Na semana passada, o Comitê de Comércio do Senado dos Estados Unidos intimou os C.E.Os do Facebook, Twitter e Google a investigar a questão.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês