Clique e assine com até 92% de desconto

Facebook irá barrar propaganda política dias antes das eleições americanas

Anúncio foi feito por Mark Zuckerberg em uma postagem na plataforma; rede social está preocupada com a interferência externa no pleito

Por Da Redação Atualizado em 3 set 2020, 14h03 - Publicado em 3 set 2020, 14h00

O Facebook proibirá a publicação de novos anúncios e mensagens políticas na plataforma uma semana antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos, conforme anunciou nesta quinta-feira, 3, o fundador da rede social, Mark Zuckerberg.

“Vamos bloquear qualquer novo anúncio político e deixar de publicar avisos durante a última semana de campanha eleitoral nos Estados Unidos. É importante que as campanhas possam ser executadas, e eu geralmente acredito que o melhor antídoto para o mau discurso é mais discurso”, disse Zuckerberg, em uma longa postagem no Facebook.

A popular rede social também pretende expandir seu “trabalho com funcionários eleitorais para eliminar a desinformação sobre o voto”.

“Já nos comprometemos a fazer parceria com as autoridades eleitorais para identificar e eliminar falsas alegações sobre as condições de votação nas últimas 72 horas de campanha, mas como essas eleições incluirão grande número de votações antecipadas, estamos estendendo esse período para começar agora e continuar com esse trabalho até termos o resultado final das eleições”, explica Zuckerberg.

Continua após a publicidade

Zuckerberg diz reconhecer que “essas eleições não serão normais. Todos nós temos a responsabilidade de proteger nossa democracia. Isso significa ajudar as pessoas a se registrar e votar, esclarecer a confusão sobre como as eleições irão funcionar e tomar medidas para reduzir as chances de violência e distúrbios”.

Nas eleições presidenciais americanas, que ocorrerão no dia 3 de novembro, o republicano Donald Trump, candidato à reeleição, enfrentará o democrata Joe Biden. As autoridades esperam um aumento considerável no voto pelo correio, algo que o atual mandatário acredita que pode levar a irregularidades e prejudicá-lo.

  • “Faltando apenas dois meses para as eleições nos Estados Unidos, e com a Covid-19 afetando comunidades em todo o país, estou preocupado com os desafios que as pessoas podem enfrentar ao votar”, disse o executivo.

    Mark Zuckerberg escreveu ainda que será possível “compartilhar informações sobre a eleição, mas limitaremos o número de bate-papos para os quais você pode enviar uma mensagem de uma vez. Já implementamos isso no WhatsApp durante períodos sensíveis e achamos que é um método eficaz para impedir que a desinformação se espalhe em muitos países”, disse.

    ASSINE VEJA

    A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
    Clique e Assine

    Zuckerberg também lembrou que em eleições anteriores houve ataques coordenados de governos e indivíduos estrangeiros para interferir nas eleições e que essa ameaça ainda existe.

    (Com EFE)

    Continua após a publicidade
    Publicidade