Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Extração de água subterrânea é tanta que mudou eixo da Terra, diz estudo

De acordo com especialistas, mudança também é possível de ser observada na superfície porque contribui para aumento global do nível do mar

Por Da Redação 27 jun 2023, 12h51

Um novo estudo concluiu que a extração de líquido das reservas subterrâneas é tamanha que a inclinação da Terra está mudando. A mudança, segundo os especialistas, também é possível de ser observada na superfície porque contribui para o aumento global do nível do mar.

A pesquisa foi publicada na revista Geophysical Research Letters neste mês e mostra que a extração persistente de água subterrânea por mais de uma década alterou o eixo em que nosso planeta gira para o leste a uma taxa de cerca de 4,3 centímetrros por ano.

“O polo rotacional da Terra realmente muda muito”, disse Ki-Weon Seo, professor do departamento de educação em ciências da Terra na Universidade Nacional de Seul. “Nosso estudo mostra que, entre as causas relacionadas ao clima, a redistribuição das águas subterrâneas realmente tem o maior impacto na deriva do polo rotacional”.

A Terra gira no eixo norte-sul a uma taxa de cerca de 1.609 quilômetros por hora. As estações do ano estão ligadas ao fluxo e ao refluxo do eixo de rotação do planeta e, de acordo com Surendra Adhikari, cientista pesquisador do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, um eixo errante pode afetar o clima em escala global.

+ Incêndios no Canadá bateram recorde de emissões de CO2, diz relatório

O interior do planeta é composto por rochas e magma em torno de um núcleo denso e quente. Porém, na camada rochosa mais externa também há grandes quantidades de água.

Cientistas acreditam que abaixo da superfície do planeta existam reservatórios rochosos, conhecidos como aquíferos, que contém mais de mil vezes a quantidade de água do que todos os rios e lagos superficiais do mundo. Esses reservatórios subterrâneos fornecem água potável para pessoas e gado, e ajudam na irrigação das plantações quando a chuva é escassa.

O bombeamento de águas subterrâneas pode ser uma forma de abastecer partes do mundo que são fortemente afetadas pela seca causada pela mudança climática. Mas, essas reservas são finitas e, uma vez drenadas, são lentas para se reabastecer. Somado a isso, a extração dessa água também tem consequências globais não intencionais.

“Nós afetamos os sistemas da Terra de várias maneiras”, disse Seo. “As pessoas precisam estar cientes disso.”

Continua após a publicidade

+ Condições meteorológicas extremas colocam 6 milhões em risco nos EUA

Entre 1993 e 2010, período examinado no estudo, os humanos extraíram mais de 2.150 gigatoneladas de água subterrânea do interior da Terra, principalmente no oeste da América do Norte e noroeste da Índia. Caso derramada no oceano, essa quantidade de água seria capaz de elevar o nível do mar em cerca de 6 milímetros.

Em 2016, outra equipe de pesquisadores descobriu que a deriva no eixo de rotação da Terra entre 2003 e 2015 poderia estar ligada a mudanças na massa de geleiras e mantos de gelo, bem como nas reservas de água do planeta. Segundo Seo, qualquer mudança de massa na Terra, incluindo a pressão atmosférica, pode afetar o eixo de rotação. Porém, as mudanças de eixo causadas por mudanças de pressão atmosférica são periódicas, o que significa que o pólo rotacional vagueia e depois retorna à sua posição anterior.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.