Clique e assine a partir de 9,90/mês

Explosão em mina chinesa mata pelo menos 20 pessoas

Minas do país são consideradas as mais perigosas do mundo. No ano passado, 2.600 pessoas morreram

Por Da Redação - 16 out 2010, 12h57

Pelo menos 20 mineiros morreram soterrados neste sábado na China, num momento em que as minas deste país, sob forte pressão para aumentar a produtividade, são consideradas as mais perigosas do mundo.

Segundo a agência nacional de segurança do trabalho, uma explosão em mina de carvão na província de Henan (centro) causou a morte de pelo menos 20 operários de um grupo de 276 mineiros que se dedicavam à extração do mineral que permite gerar 70% da energia consumida pelo país.

Depois do acidente, 239 mineiros conseguiram regressar à superfície, tendo sido encontrados alguns corpos, enquanto que 17 pessoas permaneciam desaparecidas, informou a agência.

A tragédia ocorre logo após o resgate dos 33 mineiros que ficaram debaixo da terra no Chile por 69 dias e que foram resgatados na última quarta-feira. A história dos mineiros motivou discussões e críticas sobre a falta de segurança das minas da China. No ano passado, 2.631 pessoas morreram nessas minas. Acredita-se, porém, que o número real de mortos no país pode ser muito maior, já que muitos incidentes não são divulgados.

De acordo com o Instituto Chinês de Informação sobre o carvão, todos os anos, o governo vem destina milhões de euros a título de subvenção para as minas que utilizam melhores tecnologias para captar metano. Além disso, as autoridades também lançaram há alguns anos grande campanha de fechamento de pequenas minas, muitas vezes ilegais, onde se produz a maioria dos acidentes mortais.

No entanto, muitas delas continuam funcionando devido à corrupção de dirigentes locais.

No começo de julho passado, o primeiro-ministro Wen Jiabao havia ordenado que os chefes das minas descessem junto com os mineiros, numa tentativa para melhorar a segurança. “Os dirigentes das empresas devem (…) baixar aos poços junto com seus operários”, segundo ele.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade