Clique e assine a partir de 9,90/mês

Explosão de carro da embaixada israelense em Délhi deixa 4 feridos

Por Da Redação - 13 fev 2012, 12h34

(Eleva número de feridos e acrescenta outros detalhes).

Nova Délhi, 13 fev (EFE).- Pelo menos quatro pessoas, incluindo a esposa de um diplomata israelense, ficaram feridas nesta segunda-feira por uma explosão registrada em um veículo diplomático de Israel na região de embaixadas em Nova Délhi, informou a Polícia.

Em entrevista coletiva, o comissário da Polícia de Délhi, B.K. Gupta, explicou que segundo um testemunho o veículo explodiu depois que um indivíduo que se deslocava em motocicleta colocou um ‘dispositivo magnético’ na parte traseira do carro.

O Toyota Inova pertencia à esposa de um diplomata israelense, que iria buscar seus filhos no Colégio Americano da capital indiana.

Continua após a publicidade

A detonação aconteceu às 14h no horário local (7h30 em Brasília) próximo do encontro entre duas ruas, a cerca de um quilômetro da sede diplomática israelense e não muito longe da residência do primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh.

Segundo o comissário Gupta, quatro pessoas ficaram feridas no incidente: a esposa do diplomata israelense, o motorista do veículo – de nacionalidade indiana – e dois cidadãos indianos que circulavam em um carro nas imediações.

Todos os feridos se encontram fora de perigo. Fontes oficiais citadas pela emissora privada ‘NDTV’ tinham apontado horas antes que a explosão foi causada aparentemente por um bujão de gás comprimido (CNG).

Também nesta segunda-feira na capital da Geórgia, Tbilisi, as forças de segurança desativaram uma granada que tinha sido colocada na parte inferior do automóvel de um funcionário da embaixada israelense no país.

Continua após a publicidade

O Governo israelense classificou as ações como atentados e advertiu que Jerusalém atuará de forma ‘decisiva e meticulosa contra o terrorismo internacional que provém do Irã’.

O ministro indiano de Relações Exteriores, S.M. Krishna, afirmou em um comparecimento público ter falado com seu colega israelense, Avigdor Lieberman, e evitou fazer referência à explosão ocorrida em Délhi como um ataque terrorista.

‘A lei do país seguirá seu curso. Iniciamos uma investigação’, se limitou a dizer.

As autoridades declararam estado de alerta após a explosão, que aconteceu pouco antes da comemoração do Dia Internacional em Memória do Holocausto, 16 de fevereiro. EFE

Publicidade