Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Exilados denunciam Maduro por obrigar povo a assinar cartas contra sanções

Segundo o grupo com sede em Miami, o presidente quer fazer a opinião pública crer que as sanções impostas pelos EUA são contra o povo venezuelano

Por Da Redação 26 mar 2015, 13h11

O grupo Venezuelanos Perseguidos Políticos no Exílio (Veppex) de Miami denunciou nesta quinta-feira que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, está obrigando estudantes e funcionários públicos a assinarem cartas contra as sanções impostas pelos Estados Unidos ao país sul-americano. Maduro “deu mostras do totalitarismo que existe no país ao obrigar estudantes das escolas públicas e funcionários a assinarem cartas dirigidas ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para que revogue a lei que declara Venezuela uma ameaça”.

Obama declarou através de uma ordem executiva emitida no início do mês uma “emergência nacional nos Estados Unidos pela ameaça incomum e extraordinária” que a situação da Venezuela representa para a segurança americana. Veppex advertiu que o governo venezuelano começará neste fim de semana uma “operação intimidatória” de casa em casa para pedir a população que assine uma petição contra o decreto.

Leia também

Venezuela vendia passagens fantasmas para o “aeroterror”

Anistia Internacional denuncia impunidade por violações de direitos humanos na Venezuela

Ex-premiê espanhol defenderá líderes opositores venezuelanos

Continua após a publicidade

Segundo a organização, Maduro e seu regime querem com sua campanha fazer a opinião pública crer que as sanções impostas pelos EUA “não são contra funcionários específicos, mas contra o povo venezuelano”. O líder venezuelano estaria utilizando o “poder do Estado para empurrar a sociedade venezuelana para um abismo para o qual Maduro e seu regime são os responsáveis”, disse a organização.

Além disso, Veppex agradeceu o ex-primeiro-ministro Felipe González por sua decisão de assumir a defesa dos opositores presos Leopoldo López e Antonio Ledezma, um agradecimento que estendeu aos ex-presidentes Andrés Pastrana (Colômbia), Sebastián Piñera (Chile) e Fernando Henrique Cardoso (Brasil). Todos eles, ressaltou o grupo, “apoiam a causa da liberdade dos presos políticos e da sociedade venezuelana”.

Leia mais

Com país em crise, filho de Maduro dança sob chuva de dólares

Oposição exige que Maduro repatrie US$ 350 bi depositados no exterior

Recentemente, o governo americano afirmou que os problemas na Venezuela não serão resolvidos com um diálogo com os Estados Unidos, mas apenas com um pacto democrático entre os venezuelanos, e assinalou que até agora não recebeu nenhuma proposta formal para iniciar uma conversa que reduza as tensões bilaterais. “Os problemas políticos e econômicos da Venezuela só serão resolvidos se os venezuelanos falarem uns com os outros em um clima de respeito com os direitos humanos e com a democracia”, afirmou um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA. O governo americano “encoraja os moradores da Venezuela a continuarem com seus esforços para promover o diálogo democrático e eleições livres e justas na Venezuela”, concluiu.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade