Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Exército queniano mata mais de 30 membros do Al Shabab

Bombardeio aéreo aconteceu na Somália, país que faz fronteira com o Quênia

Mais de trinta membros da milícia radical islâmica Al Shabab, inclusive vários dirigentes importantes, morreram nesta quinta-feira em um ataque de aviões de combate quenianos em um acampamento dos insurgentes no sul da Somália, informaram nesta sexta-feira as Forças Armadas do Quênia. “No dia 9 de janeiro de 2014 às 18 horas locais (13 horas de Brasília), caças das Forças de Defesa do Quênia atacaram um acampamento do Al Shabab no qual era realizada uma reunião em Garbarahey, na região somali de Gedo”, explicou o Exército queniano, em comunicado.

“A avaliação inicial de danos da batalha indica que morreram mais de 30 integrantes do Al Shabab, inclusive alguns dirigentes importantes. Vários insurgentes escaparam com ferimentos múltiplos”, diz a nota. Além disso, “mais de cinco veículos e grandes ativos foram destruídos”, completa a nota.

Leia também

Al Shabab, o grupo terrorista com quem nem Bin Laden quis aliança

Ao menos 47 britânicos mantêm laços com a organização terrorista Al Shabab

Em outubro de 2011, o Exército do Quênia entrou na Somália devido a uma onda de sequestros em território queniano que foram atribuídos ao Al Shabab, grupo que ameaçou retaliar com ataques terroristas. Os radicais islâmicos se responsabilizaram pelo ataque cometido em setembro do ano passado no shopping center de Westgate em Nairóbi, que causou pelo menos 74 mortes (incluídos cinco terroristas).

A milícia, que em 2012 anunciou sua adesão formal à rede terrorista Al Qaeda, controla amplas zonas do centro e do sul do Somália, onde o frágil governo do país ainda não está em condições de impor sua autoridade. As tropas da Missão da União Africana (Amissom), o Exército somali, as forças etíopes e as milícias pró-governo combatem os islamitas, que tentam instaurar no país um Estado islâmico.

A Somália vive em estado de guerra civil e caos desde 1991, quando o ditador Mohammed Siad Barre foi derrubado, o que deixou o país sem um governo efetivo e nas mãos de milícias islamitas, senhores da guerra e grupos de delinquentes armados.

(Com agência EFE)