Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Exército nigeriano afirma ter matado chefe do Boko Haram

Forças militares da Nigéria dizem que Abubakar Shekau foi "ferido fatalmente no ombro"

Por Da redação Atualizado em 23 ago 2016, 16h50 - Publicado em 23 ago 2016, 15h04

O Exército da Nigéria afirmou nesta terça-feira que bombardeios realizados na última sexta-feira mataram diversos comandantes do Boko Haram, e entre eles pode estar o chefe do grupo, Abubakar Shekau. O comunicado do Exército nigeriano cita um “ataque aéreo espetacular e sem precedentes” que teria “ferido fatalmente no ombro” o principal extremista islâmico do país.

Essa é a terceira vez que as forças de segurança nigerianas alegam ter matado Shekau – logo após as duas declarações anteriores, o jihadista voltou a aparecer vivo em vídeos ou áudios divulgados pelos extremistas. Segundo o Exército, o Boko Haram usava combatentes parecidos com Shekau para esconder seu verdadeiro paradeiro.

LEIA TAMBÉM:
Chefe do Boko Haram reaparece vivo em novo vídeo
Resgatada do Boko Haram sente falta de seu marido terrorista
Boko Haram divulga vídeo com supostas adolescentes de Chibok

Os ataques aéreos que podem ter matado o chefe extremista ocorreram enquanto os terroristas oravam na sexta-feira, dia sagrado para os muçulmanos, em uma vila de Taye. O comunicado assinado pelo porta-voz do Exército, coronel Sani Kukasheka Usman, confirma a morte dos comandantes Abubakar Mubi, Malam Nuhu e Malam Hamman, entre outros.

O comunicado foi divulgado no momento em que o secretário de Estado americano, John Kerry, está em Abuja, capital nigeriana, para se reunir com o presidente Muhammadu Buhari. A dupla deve discutir o extremismo islâmico e a segurança regional. Kerry falou na manhã desta terça-feira na cidade de Sokoto, no norte nigeriano, mas não fez referência ao comunicado do Exército.

Shekau começou sua campanha terrorista em 2009. Desde então, o Boko Haram já matou 20.000 pessoas, forçou mais de 2,2 milhões de nigerianos a abandonar suas casas e disseminou sua ideologia extremista para além das fronteiras da Nigéria. A crise tem sido marcada por ataques mortíferos e atentados suicidas contra escolas, mesquitas e mercados, além do sequestro, em abril de 2014, de 276 alunas de uma remota escola na cidade de Chibok, no nordeste nigeriano. Algumas dezenas delas conseguiram escapar, mas 218 continuam desaparecidas.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)