Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Exército fala em trégua entre sunitas e alauítas em cidade libanesa

Pelo menos dez foram mortos e 65 ficaram feridos em Trípoli, no norte do país

O Exército libanês anunciou nesta terça-feira um cessar-fogo na cidade de Trípoli, no norte do país, após duas noites de combates entre sunitas e alauítas, que apoiam forças opostas na guerra civil da Síria. Calcula-se que pelo menos dez pessoas tenham sido mortas e 65 feridas neste período, apesar da forte presença de soldados, tanques e carros blindados na região.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

Uma fonte militar explicou que, após negociações com o Exército, os dois lados concordaram em suspender as hostilidades. No entanto, ao anoitecer, moradores disseram ainda ouvir disparos ocasionais.

Saiba mais: Líbano: Funeral de chefe de inteligência termina em protesto

Os distúrbios ocorreram entre os bairros vizinhos de Bab al Tabbaneh, habitado por sunitas, e Jebel Mohsen, um reduto alauíta. Moradores disseram ter ouvido disparos de metralhadoras e bazucas desde o anoitecer de domingo e que franco-atiradores estiveram em ação durante todo o dia.

Na manhã de hoje, soldados amparados por tanques e veículos blindados foram enviados às ruas de Trípoli, que já registrou outros confrontos desde o início da guerra civil na Síria, há 19 meses.

Em nota, o Exército disse que prendeu cem pessoas desde domingo, dentro os quais 34 sírios e quatro palestinos, em uma operação destinada a retirar as armas das ruas. A nota também indicou que militares ocuparam imóveis de Beirute e

Trípoli onde atiradores se escondiam e armazenavam seus arsenais. Quinze membros das forças de segurança foram baleados nesta operação.

Leia também: Assad decreta anistia geral, mas exclui rebeldes

Wissam al-Hassan, chefe do serviço de inteligência das Forças de Segurança Interna (FSI) no Líbano, era crítico do regime sírio Wissam al-Hassan, chefe do serviço de inteligência das Forças de Segurança Interna (FSI) no Líbano, era crítico do regime sírio

Wissam al-Hassan, chefe do serviço de inteligência das Forças de Segurança Interna (FSI) no Líbano, era crítico do regime sírio (/)

Histórico – A violência no Líbano se acentuou depois que um atentado no centro de Beirute, na última sexta-feira, matou Wissam al Hassan, diretor nacional de segurança, e outras sete pessoas.

Na capital, a rotina começa a se normalizar após uma mobilização militar realizada ontem, que desmantelou barricadas e retirou das ruas os membros dos dois movimentos religiosos que trocaram tiros durante a madrugada de domingo.

O atentado e os confrontos armados subsequentes levaram a guerra civil síria para o coração do Líbano e desencadearam uma crise política. A oposição exige a deposição dos membros do gabinete do primeiro-ministro Najib Mikati, que é formado principalmente por ministros pró-Damasco.

Leia mais: Atentado em bairro cristão de Damasco deixa dez mortos

O Líbano ainda está se recuperando de uma guerra civil que durou 15 anos. O fim do conflito, em 1990, não significou o fim dos assassinatos e da tensão sectária entre sunitas, xiitas, cristãos e outros.

A rebelião na Síria é promovida principalmente por membros da maioria muçulmana sunita, que luta para derrubar o regime do alauíta Bashar al Assad.

(Com Agência Reuters)