Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Exército de Mianmar justifica golpe apesar de pressão internacional

Militares alegaram fraude nas eleições e afirmaram que sistema eleitoral foi incapaz de solucionar o problema

Por Da Redação 2 fev 2021, 15h37

Inevitável. Foi assim que o comandante do Exército de Mianmar, Ming Aung Hlaing, justificou nesta terça-feira, 2, o golpe de Estado que os militares aplicaram contra a governante e Nobel da paz, Aung San Suu Kyi.

“Este caminho era inevitável para o país e, por isso, tivemos que escolhê-lo”, alegou o general, de acordo com a página oficial do Exército no Facebook.

Os comentários do militar foram feitos pouco antes de uma reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas e depois que o partido de Aung San Suu Kyi, líder de fato do governo deposto, pediu sua “libertação” imediata.

Os Estados Unidos, depois de definirem a situação como um “golpe”, alertaram que reduziriam sua ajuda à Mianmar. A ONU e a União Europeia (UE) também condenaram o golpe. Pequim, por sua vez, se recusou a criticar qualquer pessoa, limitando-se a pedir a todas as partes que “resolvam suas diferenças”.

Na segunda-feira 1, o Exército assumiu o controle político do país por um ano depois de prender vários membros do governo, além de Suu Kyi. Os militares justificaram o golpe com uma suposta fraude nas eleições de novembro do ano passado e alegaram que a Comissão Eleitoral foi “incapaz de resolver o problema”.

Continua após a publicidade

Até agora o vice-presidente, Myint Swe, que foi nomeado para o cargo pelos militares, assumiu a Presidência interina e deu todos os poderes a Hlaing.

O Parlamento de Mianmar ria realizar a primeira sessão do ano pouco antes do golpe.

“Não tenho pena de Suu Kyi”, assim declarou um refugiado rohingya em Bangladesh após saber sobre o golpe de Estado em seu país natal, segundo a emissora Al Jaazera.

A líder deposta pelos militares, apesar de seu Nobel da Paz que foi concedido por ela ter ido contra a ditadura militar em Mianmar nos anos 1980 – os mesmos militares que a retiraram do cargo –, é acusada de expulsar milhares de pessoas da minoria muçulmana rohingya do país. Atualmente, Suu Kyi é investigada pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) por genocídio.

O comandante do Exército, Min Aung Hlaing é considerado um pária nos países ocidentais, devido à violenta repressão dos militares contra a minoria muçulmana rohingya.

Aung San Suu Kyi, apesar das críticas internacionais, continua sendo idolatrada em seu país. A “Dama de Yangun”, que viveu muito tempo no exílio, retornou a Mianmar em 1988 e se tornou a maior figura da oposição contra a ditadura militar. Passou 15 anos em prisão domiciliar até ser liberada pelo Exército em 2010.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)