Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Exército da Nigéria diz ter matado 53 membros do Boko Haram

Enfrentamento entre militares e grupo terrorista aconteceu após ataque a edifícios da polícia

Por Da Redação
6 jul 2014, 09h02

O exército da Nigéria disse ter matado 53 membros do grupo radical islâmico Boko Haram, que mantém mais de 200 menores detidas desde abril. A imprensa do país informou neste domingo que as mortes foram uma resposta a um ataque dos terroristas a soldados e policiais, que deixou seis militares mortos.

De acordo com o porta-voz dos militares, Chris Olukolade, membros do Boko Haram atacaram, nesta sexta-feira, bases militares e edifícios da polícia na cidade de Damboa, no Estado de Borno, enquanto a maioria de agentes estava fora realizando patrulhamento. A região é reduto político do grupo terrorista. “Os corpos dos soldados foram recuperados e entregues ao necrotério militar. Os feridos estão recebendo tratamento em uma instalação médica militar”, disse Olukolade.

Leia também

Após atentado, polícia nigeriana pede aos torcedores que acompanhem Copa em casa

Explosão em cinema durante jogo do Brasil mata 21

Continua após a publicidade

Boko Haram exige 800 vacas para libertar 20 mulheres sequestradas

Em 14 de abril, a milícia Boko Haram sequestrou mais de 200 meninas da escola de Chibok, também no estado de Borno. Mesmo depois de forte pressão dos países ocidentais e da ajuda de aviões americanos e satélites europeus, a maioria das garotas raptadas continua em paradeiro desconhecido pelas autoridades.

Na língua hauçá, falada na Nigéria, Boko Haram significa “falsidade é pecado”. Quando o governo colonial inglês começou a replicar suas instituições no país, os emires e os integrantes da elite nigeriana reagiram rotulando tudo o que não estivesse ligado ao islamismo como fraude, vergonha, “boko”. O termo era aplicado a toda educação não corânica, como aulas de geografia e de química. O grupo extremista se apropriou do termo para pregar que a ‘educação ocidental é pecado’. Os extremistas lutam para impor um Estado islâmico na Nigéria, país de maioria muçulmana no norte e predominantemente cristã no sul.

(Com agência EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.