Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ex-presidente paquistanês Musharraf é banido da vida política

Ele enfrenta diversas acusações e está em prisão domiciliar desde o dia 19

Por Da Redação
30 abr 2013, 21h44

O ex-presidente paquistanês Pervez Musharraf foi banido da vida política por um tribunal do país. Musharraf, foi detido no último dia 19 e está em prisão domiciliar provisória. Essa é a primeira vez que uma corte do país declara um cidadão inelegível pelo resto da vida.

Musharraf retornou ao país no mês passado após quatro anos de exílio e pretendia disputar as eleições legislativas em maio. Sua candidatura, no entanto, foi rejeitada pela comissão eleitoral, que baseou a decisão em violações da Constituição durante seu mandato como presidente. A corte da cidade de Peshawar rejeitou o recurso do ex-presidente contra a decisão. O juiz Dost Mohammad Khan impôs o banimento que impede Musharraf de concorrer a cargo eleitoral ou se tornar membro do Parlamento. “O ex-ditador ordenou juízes e seus familiares a serem colocados em prisão domiciliar e duas vezes anulou a Constituição do país”, disse o magistrado.

Leia mais:

Premiê do Paquistão anuncia dissolução do Parlamento

Continua após a publicidade

Musharraf passou a comandar o Paquistão após um golpe de Estado em 1999 e permaneceu no poder até sua renúncia, em 2008. Ele renunciou para evitar um impeachment, ao perder sustentação política depois do assassinato da oposicionista Benazir Buttho, em 2007. À época, ele já era acusado de fraude eleitoral, desrespeito à Constituição e má gestão da economia.

A ordem judicial para sua prisão este mês teve como base destituições arbitrárias de juízes promovidas no período em que ele ocupava a presidência. Mas esta não é a única acusação que pesa sobre Musharraf. Ele também é acusado de envolvimento na morte do líder separatista da província de Baluchistão, Akbar Bugti, e da ex-premiê Benazir Buttho. Além disso, um grupo de advogados paquistaneses tenta convencer a Suprema Corte a julgar o ex-presidente por “alta traição”, por ter imposto estado de exceção no país quando era presidente.

(Com agência AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.