Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Ex-presidente egípcio Hosni Mubarak está clinicamente morto

Por Da Redação - 19 jun 2012, 19h00

O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak foi declarado clinicamente morto após ser transferido da prisão para um hospital, nesta terça-feira, informou a imprensa oficial, após o ex-mandatário ter sofrido uma parada cardíaca.

“Hosni Mubarak está clinicamente morto”, noticiou a agência oficial Mena.

“Fontes médicas informaram à Mena que seu coração parou de bater e que ele não respondeu à desfibrilação”, acrescentou a fonte.

Mubarak foi transferido da prisão para um hospital militar no distrito de Maadi, no Cairo, ao anoitecer desta terça-feira, após sofrer um acidente vascular cerebral e submetido a uma desfibrilação na prisão.

Publicidade

O ex-homem forte egípcio, de 84 anos, foi condenado à prisão perpétua em 2 de junho pela repressão violenta a uma rebelião contra seu regime, no começo de 2011, durante a qual 850 manifestantes foram mortos.

Sua condição médica se deteriorou após o veredicto e ele sofreu um colapso emocional depois de ter sido removido para uma ala de cuidados intensivos da prisão Tora, no Cairo.

Em 11 de julho, os médicos usaram nele um desfibrilador, segundo uma fonte hospitalar.

Ele passou a sofrer de depressão aguda desde a sua transferência, assim como de constantes picos hipertensivos e de dificuldades respiratórias, informaram autoridades do Ministério do Interior.

Publicidade

Sua esposa, Suzanne, e as duas noras receberam permissão especial para visitá-lo após rumores de que ele tinha morrido na prisão.

Sua família havia solicitado formalmente sua transferência para um hospital do Cairo, mas esta mudança corria o risco de desatar a ira de ativistas e manifestantes.

Publicidade