Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ex-policial se declara culpado por assassinato de George Floyd

Thomas Lane assumiu que não teve intenção de matar ex-segurança, mas também não impediu que morte acontecesse ao testemunhar o ocorrido e não agir

Por Da Redação Atualizado em 18 Maio 2022, 20h37 - Publicado em 18 Maio 2022, 20h36

O ex-policial Thomas Lane, acusado de estar envolvido no assassinato de George Floyd em maio de 2020, se declarou culpado por crime de homicídio culposo por negligência, nesta quarta-feira, 18. Na ocasião, o também ex-policial Derek Chauvin se ajoelhou no pescoço de Floyd, um ex-segurança negro, por mais de nove minutos, ocasionando em sua morte.

Ao se declarar culpado, Lane assumiu que não teve a intenção de matar Floyd, mas também não impediu que a morte acontecesse ao testemunhar o ocorrido e não agir. A defesa de Thomas Lane sugeriu que ele cumpra três anos de pena pelo crime que confessou e a sentença deve ser divulgada dia 21 de setembro.

-
Thomas Lane, um dos ex-policiais acusados de assassinar George Floyd. Hennepin County Sheriff’s Office/Getty Images

A morte do homem negro de 46 anos gerou indignação generalizada depois que um vídeo que capturou a abordagem do agente de segurança viralizou na internet, mostrando como Chauvin ajoelhou-se sobre o pescoço do suspeito. Desarmado, o ex-segurança detido sob a suspeita de ter utilizado uma nota de 20 dólares falsa repetiu “eu não consigo respirar” diversas vezes até perder a consciência.

Além de Lane e Chauvin, outros dois ex-policiais foram acusados pelo crime: Tou Thao e J. Alexander Kueng, que também aguardam, em liberdade, para serem julgados pelo mesmo crime.

Continua após a publicidade

“Estou satisfeito por Thomas Lane ter admitido a responsabilidade por seu papel na morte de Floyd. O reconhecimento de que ele fez algo errado é um passo importante para curar as feridas da família Floyd, da nossa comunidade e da nação”, disse o procurador-geral de Minnesota, Keith Ellison, em comunicado.

Os advogados da família de Floyd disseram que a confissão é “mais um passo para a conclusão do terrível e histórico assassinato”.

Derek Chauvin e George Floyd trabalharam juntos no passado
Derek Chauvin e George Floyd – Hennepin County Sheriff/Reprodução

No início do mês, o juiz federal responsável pelo caso dos quatro policiais envolvidos na morte de Floyd aceitou o acordo judicial de Chauvin, condenado a 20 a 25 anos de prisão. Ele já havia sido condenado em junho de 2021 a a 22 anos e meio de prisão por homicídio em segundo grau, homicídio em terceiro grau e homicídio culposo em segundo grau. No ano passado, ele também se declarou culpado por “violar os direitos constitucionais” de Floyd.

De acordo com uma pesquisa da Bowling Green State University, além de Chauvin, apenas dez policiais foram condenados nos Estados Unidos por homicídios em serviço desde 2005.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)