Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ex-nazista de 93 anos é condenado por envolvimento em mais de 5.000 mortes

Bruno Dey serviu como guarda em campo de concentração na Polônia; ele foi condenado a dois anos de prisão, mas teve a pena suspensa pela sua idade

Por Julia Braun Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 jul 2020, 10h04 - Publicado em 23 jul 2020, 09h52

O tribunal de Hamburgo, na Alemanha, condenou um ex-nazista de 93 anos por cumplicidade em 5.232 assassinatos e tentativas de assassinato entre 1944 e 1945. O réu, Bruno Dey, que tinha 17 anos na época dos eventos, serviu como guarda no campo de concentração de Stutthof, na Polônia.

A presidente do tribunal, Anne Meier-Göring, sentenciou Dey a dois anos de prisão, mas devido à sua atual idade avançada, o alemão teve o cumprimento da pena suspenso e não ficará preso. Como era menor de idade quando cometeu os crimes, ele foi julgado por um tribunal juvenil.

Nos últimos anos, a Alemanha tem julgado e condenado vários antigos membros da Schutzstaffel, a organização paramilitar ligada ao Partido Nazista também conhecida como SS. O julgamento de Dey foi anunciado como o último sobre crimes cometidos pelo Terceiro Reich, mas na semana passada um outro guarda de Stutthof, de 95 anos, foi acusado pelos procuradores. Outros dez casos ainda são investigados.

O julgamento começou em outubro de 2019 e devido à idade, Dey foi ouvido duas vezes por semana, em sessões de duas horas cada. Na declaração final perante o tribunal, o antigo guarda pediu desculpas pelo “papel que desempenhou na máquina de destruição nazi”, acrescentando que “jamais se deve repetir”.

“Hoje, quero pedir perdão a todos os que foram submetidos a insanidades infernais”, disse. Dey forneceu informações ao tribunal, afirmando que por não ter capacidade de combate no Exército em 1944 foi destacado como guarda SS, o esquadrão de proteção, no campo perto de Danzing, atual cidade polaca de Gdansk.

Continua após a publicidade

O caso do idoso de 93 anos aplica a lei aos antigos guardas dos campos de concentração que não tinham como objetivo o “extermínio” dos prisioneiros. Os procuradores afirmaram que enquanto guarda de Stuttoh, entre agosto de 1944 e abril de 1945, Dey “não era um fanático nazi” tendo colaborado como “uma pequena peça na engrenagem dos crimes”.

Criado em 1939, Stutthof foi o primeiro campo de concentração nazista construído fora da Alemanha. Inicialmente destinado a presos políticos poloneses, acabou recebendo cerca de 115.000 deportados, muitos deles judeus. Aproximadamente 65.000 pessoas foram mortas no local.

(Com AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.