Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ex-líder da Tunísia cuja deposição originou Primavera Árabe morre aos 83

Ben Ali, que vivia em exílio na Arábia Saudita, governou o país africano por duas décadas

Por Da Redação 20 set 2019, 02h07

O ex-presidente tunisiano Zine El-Abidine Ben Ali, cuja deposição em 2011 na esteira de uma revolta desencadeou as revoluções da Primavera Árabe, morreu, aos 83 anos, durante exílio na Arábia Saudita, nesta quinta-feira, dias depois de uma eleição presidencial livre em sua terra natal.

O funeral acontecerá na sexta-feira também na Arábia Saudita, disse seu advogado, Mounir Ben Salha.

Ben Ali fugiu da Tunísia em janeiro de 2011, quando seus compatriotas – muitos deles revoltados depois que um vendedor de vegetais ateou fogo em si mesmo algumas semanas antes para protestar contra a polícia – se rebelaram contra seu governo opressivo, em uma revolução que inspirou outros levantes no Oriente Médio e levou a uma transição democrática no país.

“É o fim de ditadores como ele. Não podemos esquecer que ele destruiu nosso país… ele deu ordem para matar civis em protestos em 2011”, disse Imad Layouni, desempregado de 26 anos, em uma cafeteria de Túnis.

Continua após a publicidade

No domingo, eleitores tunisianos votaram em uma eleição que contou com candidatos de todos os lados do espectro político e que colocou dois nomes sem tradição política no segundo turno – algo impensável durante as duas décadas de Ben Ali no poder.

Mas, embora os tunisianos tenham tido uma marcha muito mais suave rumo à democracia do que a de cidadãos de outros países árabes que também se rebelaram em 2011, muitos deles estão em situação econômica pior do que na era Ben Ali.

Enquanto quase todos os candidatos da votação de domingo são defensores explícitos da revolução, um deles, Abir Moussi, fez campanha como apoiador do governo deposto de Ben Ali, recebendo 4% dos votos.

“É um sinal da intolerância no país, que afirma ser uma democracia, que ele tenha morrido na Arábia Saudita“, opinou Salwa Riahi, um médico de Túnis.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês