Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-ditador Muamar Kadafi está morto, afirmam forças líbias

O tirano tentava escapar em um comboio que foi atacado por forças da Otan. O novo governo anunciou que ele ficou ferido. Pouco depois, confirmou a morte

Entenda o caso

  1. • A revolta teve início no dia 15 de fevereiro, quando 2.000 pessoas organizaram um protesto em Bengasi, cidade que viria a se tornar reduto da oposição.
  2. • No dia 27 de março, a Otan passa a controlar as operações no país, servindo de apoio às tropas insurgentes no confronto com as forças de segurança do ditador, que está no poder há 42 anos.
  3. • Após conquistar outras cidades estratégicas, de leste a oeste do país, os rebeldes conseguem tomar Trípoli, em 21 de agosto, e, dois dias depois, festejam a invasão ao quartel-general de Kadafi.
  4. • A caçada pelo coronel terminou em 20 de outubro, quando ele foi morto pelos rebeldes em sua cidade-natal, Sirte.

Leia mais no Tema ‘Confrontos na Líbia’

Depois de 42 anos, a era Muamar Kadafi terminou de vez nesta quinta-feira. O novo governo da Líbia anunciou que o ex-ditador, que tomou o poder em 1969 e estabeleceu uma brutal tirania no Norte da África, morreu pouco depois de ser capturado, oito meses depois do início de uma mobilização popular contra seu regime. De acordo com fontes líbias, ele ficou ferido na ação para prendê-lo. Uma foto divulgada pela agência de notícias France-Presse mostra Kadafi coberto de sangue. O corpo foi levado para um local mantido sob sigilo, por razões de segurança, disse uma fonte do novo governo.

Acervo Digital VEJA: a trajetória de Muamar Kadafi, o tirano de Trípoli

De acordo com um comandante do Conselho Nacional de Transição da Líbia (CNT), Kadafi foi capturado pelas forças rebeldes em sua cidade natal, Sirte. A informação foi revelada pela primeira vez pela emissora de televisão local Libya lil Ahrar, citando como fonte o Conselho Militar de Misrata. Pouco depois, a rede Al Jazira revelou ter informações de que Kadafi tinha sido morto. A informação foi confirmada em seguida pelo Conselho Nacional de Transição (CNT).

Galeria de fotos: imagens do ditador

Abdel Majid Mlegta, do CNT, afirmou à agência de notícias Reuters que Kadafi foi atingido durante um ataque de forças da Otan contra um comboio de forças do antigo regime. Kadafi tentava fugir escondido no comboio. Ele foi ferido nas duas pernas e também atingido na cabeça. Essa fonte já dava como confirmada a morte de Kadafi. “Houve muitos disparos contra seu grupo e ele morreu”, informou Mlegta. Um combatente do CNT disse que, ao ser capturado, Kadafi gritou: “Não atirem, não atirem.”

Leia também:

Leia também: ‘A guerra na Líbia acabou’, diz Berlusconi ao saber da captura de Kadafi

Ao fazer o anúncio da prisão de Kadafi, o comandante do CNT disse que ele tinha sobrevivido, mas confirmou que ele tinha sido ferido. “Ele foi capturado e está muito ferido, mas ainda está respirando”, afirmava Mohamed Leith. O representante do CNT afirmou que chegou a ver Kadafi e que o ex-ditador estava vestido com um uniforme cáqui e um turbante. Também nesta quinta-feira, um médico afirmou que Aboubakr Younès Jaber, ministro da Defesa do regime deposto de Kadafi, foi morto.

O médico Abdou Raouf afirmou ter identificado o corpo do ex-ministro Jaber, levado na manhã desta quinta para o hospital de campanha de Sirte. A notícia da captura de Kadafi chega depois do anúncio da completa queda de Sirte, a última região que as forças fiéis ao ex-líder ainda controlavam. O Tribunal Penal Internacional está investigando sua detenção. Os Estados Unidos e a Otan afirmam estar aguardando informações sobre o destino do ex-tirano.

Muamar Kadafi morreu na mesma região onde nasceu. Sirte também foi o último reduto do antigo regime, que acabou de vez nesta quinta-feira. O CNT, movimento da rebelião que derrubou o regime de Kadafi em 23 de agosto, esperava a queda desta cidade estratégica, 360 quilômetros ao leste de Trípoli, para proclamar a “libertação total” da Líbia. “Sirte foi totalmente conquistada e, com a confirmação da morte de Kadafi, a Líbia está completamente livre”, declarou Khalifa Haftar, funcionário de alto escalão do CNT.

Leia no Blog de Nova York, por Caio Blinder:

O fim de Kadafi é espetacular e ao mesmo tempo anticlimático. Quanto mais demorasse, mais complicado o esforço de uma transição para alguma coisa na Líbia. Vamos por ora, neste minuto, saudar o fim de um carrasco. Para alguma coisa a primavera árabe serviu. Muitas esperanças estão murchando. Sabemos dos perigos óbvios, que coisa ruim pode ser substituída por coisa ruim ou até pior. Mas no “big picture” até que a Líbia tem chances: tem petróleo e tem menos problemas étnicos e religiosos que outros países da região. Tem também o apoio ocidental.

No vídeo abaixo, corpo do ex-ditador após o ataque ao comboio. Aviso: as cenas são fortes.