Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-diretor da CIA vazou dados confidenciais para filme sobre Osama

Governo é acusado de destacar caçada para usá-la como trunfo eleitoral

O ex-chefe da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), Leon Panetta, revelou detalhes confidenciais ao roteirista de A Hora Mais Escura, o filme sobre a caça a Osama bin Laden, segundo um documento do Pentágono divulgado na quarta-feira por um grupo de investigação independente. A revelação deve trazer ainda mais problemas à administração Barack Obama, devastada por uma série de escândalos.

Segundo a Inspeção Geral do Pentágono, Panetta, agora secretário da Defesa, revelou detalhes “top secret” (ultrassecretos) da operação que resultou na morte do ex-líder da Al Qaeda durante uma cerimônia na sede da CIA em homenagem aos que participaram da caçada. O diretor do filme, Mark Boal, compareceu ao evento.

“Durante a cerimônia de reconhecimento, o diretor Panetta identificou exatamente a unidade que realizou o ataque e deu o nome de quem dirigia as operações no terreno”, afirma o comunicado. O relatório preliminar feito pela Inspeção Geral do Pentágono ainda não foi publicado, mas foi obtido pelo Projeto para a Supervisão do Governo (Pogo, na sigla em inglês), uma organização independente especializada em investigações do governo americano.

Leia também:

Seals são punidos por passar informação para videogame

Panetta diz que livro sobre morte de Bin Laden põe EUA em perigo

Em livro, militar desmonta versão da Casa Branca para morte de Osama

A investigação foi solicitada pelo congressista republicano de Nova York, Peter King, então presidente da Comissão de Segurança Nacional na Câmara de Representantes. O congressista republicano acusou o governo Obama de agir para destacar sua principal conquista de política externa – a eliminação do homem mais procurado do planeta – em função da campanha presidencial de 2012. O Pentágono se negou a comentar a informação revelada por Pogo, mas um porta-voz da Inspeção Geral disse que ainda está trabalhando na investigação.

Política – A revelação é um novo problema para Barack Obama, cujo governo tem defendido uma postura rígida na contenção do vazamento de informações confidenciais. O governo tem enfrentado dificuldades para diferenciar informações de interesse público de violações da chamada “segurança nacional”, uma discussão que envolve o julgamento de Bradley Manning, o soldado que vazou dados confidenciais ao WikiLeaks, e os grampos de telefonemas e e-mails de jornalistas da agência de notícias Associated Press e da rede Fox News. Aparentemente, a Casa Branca está disposta a repassar informações confidenciais quando lhe convém, no caso para a bem-sucedida caçada de bin Laden.

Além disso, o caso evidencia problemas sistêmicos em relação à independência de inspetores federais que deveriam checar irregularidades de departamentos e agências do governo. A investigação também prova que Panetta mentiu sobre as informações que teria repassado aos cineastas.

Em maio de 2012, o ex-chefe da CIA disse, em uma audiência no Senado, que não repassou “informações inapropriadas”. “Deixe-me dizer que, como ex-diretor da CIA, eu deploro vazamentos não autorizados de informações confidenciais. É claro que isso é intolerável se vamos tentar defender este país. Precisamos proteger os envolvidos em operações clandestinas”, disse Panetta.

(Com agência France-Presse)