Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ex-assessor de David Cameron é solto após pagar fiança

Andy Coulson comandava o 'News of the World', do empresário Rupert Murdoch, à época em que o tabloide grampeou diversas personalidades

Por Da Redação 8 jul 2011, 20h56

Andy Coulson, ex-assessor de comunicação do primeiro-ministro britânico David Cameron e ex-diretor do tabloide britânico News of the World, foi solto na noite desta sexta-feira, em Londres. Suspeito de ter participado das escutas ilegais praticadas pelo jornal, ele foi liberado mediante o pagamento de fiança, após ser interrogado por nove horas. A polícia local informou que Coulson deve se reapresentar à polícia em outubro, na mesma delegacia.

Horas antes, o jornalista Clive Goodman, ex-especialista em temas da realeza do News of the World, havia sido detido e, segundo a imprensa local, também foi liberado. De acordo com a rede britânica BBC, uma terceira pessoa, um homem de 63 anos cuja identidade não foi revelada, também foi preso durante a noite.

Com a prisão de Coulson, o escândalo dos grampos atingiu o entorno político de Cameron, que prometeu abrir duas investigações sobre o escândalo. Em seguida, o premiê anunciou que também vai criar uma comissão independente para preparar novas regras para a imprensa.

Murdoch – A crise envolvendo o News of the World também chega mais perto do magnata das comunicações Rupert Murdoch, proprietário do conglomerado News Corp. A polícia investiga se um executivo da News International, editora do tabloide, apagou milhões de e-mails de um arquivo interno para obstruir o trabalho da Scotland Yard. Acredita-se que esse arquivo revelasse detalhes sobre o contato diário entre editores do News of the World com pessoas de fora da redação, incluindo investigadores particulares.

O escândalo – O caso estourou há cinco anos, quando foi revelado que jornalistas do jornal semanal mais vendido do mundo em língua inglesa recorriam a grampos para ter acesso a conversas de políticos e celebridades. A crise se agravou no início de junho deste ano, quando a polícia britânica descobriu que personalidades como Kate Middleton e o ex-premiê Tony Blair haviam sido alvos das escutas ilegais do News of the World.

Nesta semana, o caso ganhou uma dimensão ainda maior com a revelação de que um dos alvos de escuta ilegal foi Milly Dowler, uma menina de 13 anos que desapareceu em 2002 e depois foi encontrada morta. Mensagens de sua caixa postal foram apagadas pelos investigadores pagos pelo tabloide, de modo a liberar espaço para mais recados. Isso induziu polícia e familiares a pensar que a garota ainda estivesse viva. Com o cerco fechado, o proprietário do tabloide, Murdoch, decidiu fechá-lo. No domingo, o tabloide fundado em 1843 vai circular pela última vez.

Continua após a publicidade
Publicidade