Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA vão enviar tropas terrestres para lutar contra o EI na Síria

Os Estados Unidos vão enviar 50 unidades de suas forças especiais para lutar contra os terroristas do Estado Islâmico (EI) na Síria, reporta nesta sexta-feira a CNN. Um alto funcionário do governo disse que as tropas americanas irão atuar no território controlado pelos curdos, no norte da Síria. Os soldados americanos vão ajudar as forças curdas e árabes locais que lutam contra o EI. O desdobramento de tropas terrestres representa a escalada mais significativa da campanha militar americana contra o Estado Islâmico. O governo dos EUA também vai aumentar sua presença militar nos céus sírios, enviando mais aeronaves A-10 e caças F-15 para uma base aérea na Turquia.

Além disso, a Casa Branca está estudando também o envio de unidades das forças especiais para o Iraque, para impulsionar o combate aos jihadistas. O presidente Barack Obama também autorizou o reforço da ajuda militar – com apoio logístico e de materiais bélicos – para a Jordânia e o Líbano, também visando combater o EI.

Leia também

EUA acusam Rússia de bombardear hospital na Síria

Chefe da CIA crê que a Rússia deseja a saída de Assad na Síria

Comandos americanos e curdos invadem prisão do EI no Iraque e libertam 70 reféns

Os EUA e seus aliados estão bombardeando alvos na Síria e no Iraque desde setembro 2014, mas não conseguiram até agora frear o avanço do EI na região. Recentemente, a Casa Branca admitiu que outra de sua estratégia, o treinamento de rebeldes moderados para combater o EI, falhou e iria ser “descontinuada”. Algumas das remessas de armas americanas para os rebeldes caíram justamente nas mãos de jihadistas, causando constrangimento para o Pentágono.

O presidente Obama vinha sendo resistente em enviar tropas terrestres para combater no Iraque e Síria, mas sua opinião mudou após a entrada da Rússia no conflito. No final de setembro, os russos passaram a bombardear alvos na Síria afirmando que estão combatendo o terrorismo. Os EUA e seus aliados, no entanto, dizem que os alvos principais das bombas russas são as tropas rebeldes que lutam tanto para tirar o ditador Bashar Assad do poder como contra o EI.

(Da redação)