Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

EUA: Suprema Corte decide a favor do direito ao porte de armas em público

Decisão é a mais relevante sobre o assunto no país desde 2010 e pode atingir diretamente um quarto da população

Por Da Redação Atualizado em 23 jun 2022, 17h02 - Publicado em 23 jun 2022, 17h01

A Suprema Corte dos Estados Unidos considerou inconstitucional nesta quinta-feira, 23, a lei estadual de Nova York que exige uma “justa causa” para que proprietários de armas possam ter o direito de portar o objeto escondido em público para autodefesa. 

Até então, a legislação dava poder às autoridades locais para decidir quem poderia receber a licença para carregar uma arma escondida. No entanto, o tribunal americano definiu que a lei viola a 14ª emenda da Constituição do país, que diz que nenhum estado pode “fazer ou aplicar leis que anulem os privilégios ou imunidades de cidadãos dos Estados Unidos”. 

+ Senado dos EUA caminha para aprovar projeto de lei sobre armas

Por 6 votos a 3, os juízes entenderam que a lei de Nova York infringe os direitos descritos na Segunda Emenda americana, que dá à população o direito de possuir e portar armas. Essa é a decisão mais relevante sobre o assunto desde 2010, quando a Suprema Corte considerou inconstitucional a proibição de Chicago à posse de armas de fogo. 

É esperado que a mudança atinja diretamente um quarto da população dos Estados Unidos, uma vez que estados como Califórnia, Havaí, Maryland, Massachusetts, Nova Jersey e Rhode Island também têm legislação semelhantes. 

Em resposta, o presidente Joe Biden se disse “extremamente decepcionado” com a decisão, uma vez que ela “contradiz tanto o bom senso quanto a Constituição” e pediu que os juízes respeitem a lei de Nova York. 

A decisão ocorre em um período de avanço no que diz respeito ao controle de armas no país, após uma série de ataques em massa nos últimos meses. Na última quarta-feira, 22, o Senado dos Estados Unidos deu o primeiro passo para aprovar a primeira grande legislação de controle de armas em anos. Os senadores votaram para acelerar um projeto de lei bipartidário de segurança de armas, estabelecendo uma provável votação até o final desta semana. 

Continua após a publicidade

O documento de 80 páginas foi aprovado cerca de duas horas após ser apresentado por 64 votos a 34 e contou com o apoio de 14 membros do Partido Republicano, além dos 50 democratas. Antes do início da votação, os quatro principais negociadores do projeto, dois de cada partido, disseram que a ideia é “proteger as crianças da América, manter as escolas seguras e reduzir a ameaça de violência no país”. 

A National Rifle Association, o principal lobby pró-armas do país, prontamente elogiou a decisão no Twitter, ao mesmo tempo que republicanos do Comitê Judiciário da Câmara também se mostraram favoráveis à mudança. 

No entanto, outro grupo pró-armas, o Everytown for Gun Safety, criticou a decisão e disse que a Suprema Corte escolheu “ceder à agenda extrema do lobby das armas e tornar mais difícil para os estados e cidades proteger a segurança pública”.

+ Massacre no Texas: Escola em Uvalde será demolida, diz prefeitos

“É ultrajante que em um momento de avaliação nacional sobre a violência armada, a Suprema Corte tenha derrubado imprudentemente uma lei de Nova York que limita aqueles que podem portar armas escondidas”, disse a governadora do estado, Kathy Hochul, que  também condenou a decisão.

A procuradora-geral de Nova York prometeu fazer o máximo para impedir que os moradores sofram com uma onda de violência armada, ao mesmo tempo que o prefeito, Eric Adams, afirmou que a decisão definitivamente colocará os nova-iorquinos em maior risco de violência. 

“Esta decisão pode ter aberto um rio adicional alimentando o mar de violência armada, mas faremos tudo o que pudermos para represá-lo”, disse ele em comunicado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)