Clique e assine a partir de 8,90/mês

EUA: relatório da ONU endossa tese de responsabilização de Assad

França e Grã-Bretanha também deram declarações responsabilizando o regime sírio por ataque químico que deixou mais de 1.400 mortos em 21 de agosto

Por Da Redação - 16 set 2013, 21h01

A Casa Branca considerou nesta segunda-feira que o relatório da ONU confirmando o uso de armas químicas no ataque do dia 21 de agosto na Síria endossa o argumento do governo americano que o regime de Bashar Assad foi responsável pelo massacre.

O esforço em culpar o ditador, porém, não constitui uma ameaça real de intervenção por parte dos Estados Unidos – que insistem na necessidade de manter a pressão sobre Assad enquanto um acordo para destruição do arsenal químico do país é costurado por vias diplomáticas.

Os EUA só têm a perder caso decidam intervir militarmente no conflito sírio: de um lado está Assad e os xiitas do Irã e do Hezbollah, do Líbano; e do outro, vários grupos rebeldes, incluindo terroristas da Al Qaeda e extremistas salafistas.

Mesmo com esse cenário intrincado, potências ocidentais teimam em apontar o dedo para Assad. Além dos EUA, França e Grã-Bretanha repetiram o discurso nesta segunda.

Em comunicado, a conselheira de segurança nacional Susan Rice afirmou que os indícios técnicos que constam do relatório, incluindo o detalhe de que o gás sarin usado era de alta qualidade e que um foguete específico foi usado no ataque, são significativos.

Saiba mais:

Saiba mais: Emprego de armas químicas rompe marco civilizatório

A conclusão, ela disse, “reforça nossa avaliação de que os ataques foram realizados pelo regime sírio, uma vez que só ele tem a capacidade de conduzir um ataque desta forma”.

​A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Samantha Power, reiterou que não há dúvidas para os EUA sobre a responsabilidade de Assad. “Os detalhes técnicos deixam claro que só o regime poderia ter realizado esse ataque de larga escala”.

Continua após a publicidade

O ministro de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, William Hague, deu uma declaração no mesmo sentido. Ele disse que a dimensão do ataque e o resultado dos testes feitos em amostras indicam que “o regime sírio é a única parte que poderia ser responsável”.

Leia também:

ONU investiga ao menos 14 ataques químicos na Síria

Obama felicita Putin por se responsabilizar pelo “cliente” Assad

Entrega de arsenal não acaba com luta armada, diz chefe rebelde

Também o governo francês culpou Assad. “Quando olhamos os dados, as quantidades de gás tóxico utilizadas, a complexidade das misturas, a natureza e a trajetória dos vetores, não resta nenhuma dúvida sobre a origem do ataque”, disse o ministro de Relações Exteriores, Laurent Fabius.

O relatório dos investigadores da ONU que estiveram no subúrbio de Damasco em busca de amostras para verificar se, de fato, um ataque químico havia ocorrido na região constatou que há “provas flagrantes e convincentes” da utilização de gás sarin. “Armas químicas foram utilizadas em escala relativamente grande no conflito sírio contra civis, incluindo crianças”. Afirma o texto.

O ataque de 21 de agosto, que deixou mais de 1.400 mortos segundo a Casa Branca, foi perpetrado com “mísseis solo-solo contendo gás sarin”. O documento não indica responsáveis. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, qualificou o ataque de “crime de guerra”.

O governo sírio nega ter usado armas químicas contra a população e culpa os rebeldes pelos ataques.

Continua após a publicidade
Publicidade