Clique e assine com até 92% de desconto

EUA recuperam 5 milhões de empregos em junho, enquanto Covid-19 dispara

Taxa de desemprego passou de 14,7% em abril para 11,1%, no mês passado, mas recuperação pode ser interrompida em função de novo surto

Por Da Redação Atualizado em 2 jul 2020, 17h32 - Publicado em 2 jul 2020, 17h23

O Departamento do Trabalho dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira, 2, que 4,8 milhões de pessoas recuperaram seus empregos em junho. Foi o segundo mês de crescimento, depois que todos os 50 estados americanos iniciaram os processos de reabertura econômica, despertando uma economia congelada pela pandemia de coronavírus.

Agora, a taxa de desemprego caiu para 11,1%. A taxa chegou a 14,7% em abril, quando mais de 20 milhões de pessoas inscreveram-se para receber auxílio-desemprego. Mesmo assim, o número de trabalhadores desocupados continua mais alto do que em qualquer período anterior desde a Segunda Guerra Mundial.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

O Departamento do Trabalho adverte, contudo, que a pesquisa foi conduzida antes dos casos diários de coronavírus voltarem a aumentar em diversos estados americanos.

O órgão divulgou, nesta quinta-feira, que 1,4 milhão de pessoas realizaram novos pedidos de auxílio-desemprego estadual na semana passada e mais de 800.000 solicitaram benefícios do programa federal de Assistência ao Desemprego na Pandemia.

Segundo o jornal americano The New York Times, as demissões podem acelerar agora que Califórnia, Texas, Flórida, Geórgia e outros estados voltaram atrás na reabertura econômica em resposta aos novos surtos de Covid-19, pedindo que algumas empresas fechem novamente.

Continua após a publicidade

Os Estados Unidos registraram quase 50.000 novos casos de coronavírus na quarta-feira, 1, o quinto recorde de novos casos diários em oito dias.

  • No dia 1º de junho, a Flórida anunciou 667 infecções. Hoje, reportou mais de 10.100, um recorde. No Texas, houve 1.100 novos casos no início do mês passado. Na quarta-feira, mais de 8.100. Na Geórgia, o número foi de de 700 no início de junho para 2.300 em julho. E na Califórnia, onde algumas empresas recém-reabertas foram novamente fechadas, novos casos passaram de 2.500 para 7.600.

    Por conta disso, na quarta-feira, Nova York, Miami e Los Angeles fecharam restaurantes e praias. Os estados do Texas, Arizona e Geórgia já haviam interrompido o serviço em bares, museus e parques aquáticos, além de limitarem o de restaurantes.

    Se a pandemia continuar crescendo, a quantidade de pessoas voltando ao trabalho deve diminuir.

    Uma hora após a divulgação do relatório do Departamento do Trabalho, o presidente Donald Trump classificou os números de “espetaculares”.

    Continua após a publicidade
    Publicidade