Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

EUA planejam aplicar tarifas a US$ 50 bi para China, diz fonte

Americanos acusam Pequim de violar direitos de propriedade intelectual; ao mesmo tempo, excluem UE e Brasil de tarifas sobre aço e alumínio

Por Da redação - 22 mar 2018, 13h48

O governo dos Estados Unidos planeja impor tarifas a 50 bilhões de dólares em importações da China, uma fonte com conhecimento do assunto informou à agência Reuters nesta quinta-feira.

Às 13h30 (de Brasília), o presidente Donald Trump deve fazer um anúncio sobre tarifas e restrições a investimentos da China, com o objetivo de levar Pequim a interromper práticas que estariam violando direitos de propriedade intelectual dos Estados Unidos.

Espera-se também que o governo americano anuncie um processo contra a China na Organização Mundial do Comércio (OMC), por violações de leis comerciais. As tarifas seriam avaliadas separadamente, sem recorrer à OMC.

Funcionários da Casa Branca haviam dito anteriormente que as tarifas afetariam cerca de 30 bilhões de dólares em produtos chineses. Há expectativa para a divulgação de um relatório estimando que práticas comerciais da China, relacionadas à transferência indevida de tecnologia para empresas chinesas, causam prejuízos anuais de 30 bilhões de dólares aos Estados Unidos.

Publicidade

Segundo autoridades de comércio americanas, Pequim tem forçado companhias dos Estados Unidos a transferir tecnologia a suas parceiras chinesas em joint ventures (tipo de acordo para estabelecer aliança estratégica), como precondição para fazer negócios na China.

Ainda não está claro se o governo Trump decidiu por punições mais agressivas. Ontem, o representante de Comércio dos Estados Unidos, Robert Lightsizer, disse que a Casa Branca está usando um algoritmo desenvolvido para decidir quais produtos chineses serão alvo de tarifas.

A ideia é restringir importações de bens que prejudicariam Pequim, mas causariam relativamente poucos danos a consumidores e empresas dos Estados Unidos.

Alumínio e aço

Os países da União Europeia, por sua vez, receberam isenção de tarifas impostas pelo governo americano. Lighthizer anunciou, nesta quinta-feira, que o bloco econômico seria excluído da lista de nações que terão aumento sobre as tarifas impostas ao alumínio e aço, anunciadas no início de março.

Publicidade

Também nesta quinta-feira, o governo americano confirmou a notícia dada pelo presidente Michel Temer de que o Brasil será excluído das cobranças.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Publicidade