Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EUA liberam a entrada de estudantes brasileiros com visto no país

Governo americano abriu exceção para os estudantes cujo programa acadêmico começa a partir de agosto

Por Julia Braun Atualizado em 27 abr 2021, 16h15 - Publicado em 27 abr 2021, 13h07

Desde segunda-feira 26, estudantes, acadêmicos e jornalistas que possuem vistos americanos podem ingressar nos Estados Unidos apesar do fechamento das fronteiras por conta da pandemia do coronavírus. A determinação foi publicada pelo Departamento de Estado americano e confirmada pela embaixada dos EUA no Brasil a VEJA.

Com a mudança, o governo americano ampliou a lista de nacionalidades e categorias que se enquadraram como exceções diante dos bloqueios da Covid-19 e podem entrar em território americano. Dessa forma, viajantes que venham do Brasil, da China, do Irã, da África do Sul, do Reino Unido, da Irlanda e dos 26 países da União Europeia (UE) e que possuam vistos das categorias F-1, M-1 (de estudantes) ou I (de imprensa) podem viajar ao país.

Aos estudantes, porém, a entrada está condicionada àqueles cujo programa acadêmico começa a partir de 1º de agosto. O aluno pode chegar até 30 dias antes do início das aulas. Já os jornalistas devem solicitar autorização à embaixada antes da viagem.

Acadêmicos, jornalistas e outros que possam se qualificar para uma Exceção de Interesse Nacional (NIE, na sigla em inglês) , incluindo aqueles com vistos válidos e ou com a Autorização de Viagem (ESTA), precisarão solicitar um NIE antes da viagem. 

“Os viajantes internacionais são obrigados a fazer um teste viral três dias antes do embarque aos EUA e fornecer documentação por escrito do resultado de teste (papel ou cópia eletrônica) à companhia aérea”, disse a embaixada em nota.

Para os estudantes que ainda não possuem vistos, a entrada segue bloqueada. A embaixada pede que aguardem até maio, quando os serviços imigratórios estão programados para retornar, para verificar a possibilidade de emissão do documento.

“Os Estados Unidos estão extremamente orgulhosos de ser o destino preferido de tantos estudantes e acadêmicos brasileiros e de ter tantas parcerias de longo prazo entre universidades e organizações de mídia. Estou excepcionalmente satisfeito que as condições permitam agora que viagens e estudos sejam retomados, e estamos ansiosos para aumentar a expansão destes vínculos”, ressalta o embaixador dos EUA, Todd Chapman.

O Departamento de Estado também continua a permitir a entrada de viajantes que buscam entrar nos Estados Unidos para fins relacionados a trabalhos humanitários, de saúde pública e de segurança nacional. Também já havia exceções para portadores de vistos diplomáticos, residentes permanentes, filhos ou cônjuges de americanos.

Continua após a publicidade
Publicidade