Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

EUA pedem suspensão da Rússia no Conselho de Direitos Humanos da ONU

Washington cita 'crimes de guerra' na cidade ucraniana de Bucha. Exclusão por violações graves aconteceu apenas uma vez desde fundação do órgão, em 2006

Por Da Redação Atualizado em 4 abr 2022, 17h53 - Publicado em 4 abr 2022, 15h15

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, anunciou nesta segunda-feira, 4, que o país vai buscar a suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU, diante das “recentes provas” de que estão sendo cometidos “crimes de guerra” na Ucrânia.

Em publicação nas redes sociais, a diplomata afirmou que não é possível permitir que uma nação que está “subvertendo todos os princípios” básicos da organização siga participando do Conselho, formado por 47 integrantes eleitos para mandatos de três anos pela Assembleia-Geral.

A suspensão de um país por violações graves aconteceu apenas uma vez desde a fundação do órgão, em 2006. Na ocasião, a Líbia foi expulsa em 2011 pela repressão dos protestos populares contra o regime de Muammar al-Gaddafi. 

+ Zelensky visita Bucha após mssacre e acusa Rússia de genocídio

“A participação da Rússia no Conselho de Direitos Humanos é uma farsa. Está errado, e é por isso que acreditamos que é hora de a Assembleia-Geral votar para removê-la”, disse ela durante visita à Romênia, que deseja que a votação ocorra já nesta semana. 

Continua após a publicidade

Para suspender a participação de um país do Conselho, é necessário o voto favorável de dois terços dos 193 disponíveis. Desde o início da invasão russa à Ucrânia, em 24 de fevereiro, as Nações Unidas adotaram duas resoluções denunciando e condenando a Rússia com 140 votos a favor. 

“Minha mensagem para os 140 países que corajosamente se uniram é: as imagens de Bucha e a devastação na Ucrânia exigem que agora combinemos nossas palavras com ação”, completou a diplomata. 

Em resposta, o embaixador da Rússia na ONU, Gennady Gatilov, disse que dificilmente a iniciativa terá apoio da maioria. 

“Washington explora a crise na Ucrânia para seu benefício na tentativa de excluir ou suspender o nosso país de organizações internacionais”, disse ele. 

A cidade de Bucha foi atacada pelas tropas de Moscou durante semanas e, após retomada por forças ucranianas, foram encontradas centenas de corpos nas ruas. Algumas vítimas, segundo o governo ucraniano e imagens veiculadas por veículos internacionais de imprensa, estavam com as mãos amarradas e pareciam ter sido mortas com tiros pelas costas.

Continua após a publicidade

+ Conselho de Segurança da ONU deve rejeitar reunião pedida por Moscou

O Kremlin nega categoricamente a participação de seus militares em crimes contra civis na região. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, acusou os Estados Unidos de encomendarem as mortes para culpar os russos. 

Já o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o governo russo encontrou indícios de “falsificação das imagens” e pediu para que o Ocidente não faça acusações precipitadas antes de “ouvir os argumentos russos”. 

+ Massacre na Ucrânia pode acelerar julgamento da Rússia por crime de guerra

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.