Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

EUA pedem para Venezuela libertar presos políticos

A subsecretária de Estado americana também disse que a Casa Branca está 'profundamente preocupada' com a maior intimidação da oposição

Por Da Redação 20 fev 2015, 14h17

Os Estados Unidos estão “profundamente preocupados” com a escalada de intimidação a opositores venezuelanos, afirmou nesta sexta-feira a subsecretária para o hemisfério ocidental, Roberta Jacobson, no dia seguinte à prisão do prefeito de Caracas. Roberta pediu, além disso, que os presos políticos sejam libertados prontamente.

O prefeito de Caracas, o opositor Antonio Ledezma, foi detido pela polícia secreta chavista (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional, Sebin) por ordem da Procuradoria por “promover um golpe de Estado” na Venezuela – declarou o presidente Nicolás Maduro nesta quinta-feira. “O senhor Ledezma, que no dia de hoje [ontem] foi detido por ordem da Procuradoria, deve ser processado pela Justiça venezuelana para que responda por todos os crimes cometidos contra a paz do país, a segurança e a Constituição”, afirmou Maduro, em pronunciamento em rádio e televisão iniciado pouco depois da notícia da prisão de Ledezma.

Leia também

Polícia chavista prende prefeito de Caracas, um dos líderes da oposição

Vídeo mostra momento da prisão do prefeito de Caracas

O presidente reiterou sua denúncia mirabolante lançada há alguns dias de que a oposição estaria armando, com apoio dos Estados Unidos, uma tentativa de golpe contra seu governo. Como “prova”, Maduro citou um documento assinado por Ledezma, pelo também líder opositor Leopoldo López e por María Corina Machado, destituída do cargo de deputada em 2014. Denominado “Acordo Nacional para a Transição”, o texto foi divulgado publicamente pela imprensa local em 11 de fevereiro passado, apresentando uma série de propostas políticas e econômicas.

Continua após a publicidade

Pouco depois da denúncia de Maduro, Washington reagiu, rejeitando as acusações de que o governo Barack Obama estaria por trás de uma conspiração para derrubar o presidente. “As declarações dadas pelo governo venezuelano de que os Estados Unidos estão envolvidos na conspiração para um golpe e para a desestabilização da Venezuela não têm embasamento e são falsas”, afirmou a porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki. “Os Estados Unidos não promovem a desestabilização na Venezuela, tampouco estamos tentando minar sua economia, ou seu governo”, completou Psaki, destacando que Washington continua sendo o principal sócio comercial de Caracas.

Leia mais

Protesto pede libertação do opositor Leopoldo López, preso há um ano

Maduro diz ter frustrado tentativa de golpe que incluía bombardeio

Estudantes voltam às ruas um ano depois da onda de protestos na Venezuela

Na semana passada, o prefeito do município Libertador, na região metropolitana de Caracas, o chavista Jorge Rodríguez, acusou Ledezma e o deputado opositor Julio Borges de serem os autores intelectuais da tentativa de golpe de Estado. O presidente do Parlamento venezuelano, o governista Diosdado Cabello, garantiu que no complô, identificado como “Plano Jericó”, estavam envolvidos os opositores Ledezma, Borges, María Corina Machado e Diego Arria, ex-embaixador da Venezuela na ONU. O chavista Cabello é suspeito se manter ligações com narcotraficantes e lavagem de dinheiro.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade