Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA: novo secretário de Estado inicia diálogo diplomático

Prioridade de John Kerry é 'promover a paz' entre israelenses e palestinos

O novo secretário de Estado americano, John Kerry, já iniciou os trabalhos no cargo de principal diplomata dos EUA com a prioridade de promover os diálogos de paz entre israelenses e palestinos. No domingo, Kerry conversou com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e com o presidente palestino, Mahmoud Abbas.

“Voltando-se para a paz no Oriente Médio, o secretário ressaltou seu compromisso pessoal e o do presidente Barack Obama em apoiar a segurança de Israel e buscar uma paz duradoura entre israelenses e palestinos”, afirmou a porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, sobre a conversa de Kerry com Netanyahu. Um porta-voz do primeiro-ministro israelense confirmou que a ligação ocorreu, mas não forneceu mais detalhes.

Em sua ligação para Abbas, Kerry, ex-presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, reiterou seu compromisso com a paz e prometeu continuar trabalhando com o Congresso para liberar fundos de apoio orçamentário para a Autoridade Palestina.

Leia também:

Leia também: ONU recomenda a Israel que retire colonos da Cisjordânia

Netanyahu assumiu no sábado a responsabilidade de formar um novo governo israelense após a eleição de 22 de janeiro, em que seu grupo de direita Likud-Beiteinu perdeu terreno, mas ainda emergiu como o maior bloco, com 31 das 120 cadeiras do Parlamento israelense.

Negociações – O premiê israelense disse no sábado que retomar as negociações com Abbas seria uma prioridade para seu novo governo. “O próximo governo que irei formar estará comprometido com a paz. Apelo a Abut Mazen (Abbas) para voltar à mesa de negociações. Cada dia que passa sem nos falarmos para em conjunto encontrar uma maneira de criar a paz para nossos povos é um dia desperdiçado “, disse.

Saiba mais:

Saiba mais: Uma pitada centrista na política externa israelense

As conversas formais entre as duas partes foram interrompidas em 2010 devido à contínua construção de assentamentos judaicos em terras que os palestinos querem para um estado.

(Com agência Reuters)