Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

EUA mantêm Cuba, Irã, Sudão e Síria na lista de patrocinadores do terrorismo

Por Da Redação - 31 jul 2012, 15h43

Washington, 31 jul (EFE).- Cuba, Irã, Sudão e Síria continuam na lista de países que patrocinam o terrorismo, afirma o relatório anual apresentado nesta terça-feira pelo Departamento de Estado dos EUA.

O governo americano alega que Cuba, incluída na lista em 1982, ‘continua’ abrigando membros da organização separatista-terrorista basca ETA e prestou ajuda médica e assistência política a militantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

No entanto, o relatório diz que ‘não há evidências de que o governo de Cuba tenha fornecido armas ou treino militar nem para o ETA nem para as Farc’, embora ‘continue permitindo’ que residam fugitivos procurados pelos Estados Unidos, a quem proporciona casa, comida e atendimento sanitário.

Já sobre o Irã, presente na lista desde 1984, o relatório afirma que tem ‘aumentado sua atividade relacionada com o terrorismo’ o que considera uma tentativa de ‘aproveitar as condições de incerteza política’ após a Primavera Árabe, assim como o aumento da pressão internacional ao regime de Teerã.

Publicidade

Os Estados Unidos acusam o Irã de oferecer treinamento e armas ao regime de Bashar al Assad na Síria e de continuar ‘dando apoio financeiro, material e logística a terroristas e grupos de militantes no Oriente Médio e Ásia Central’, como o palestino Hamas.

O Departamento de Estado assegura além disso que o Irã utiliza a Guarda Revolucionária Islâmica, o corpo de elite das Forças de Segurança iranianos, para treinar grupos xiitas no Iraque, junto com o grupo libanês Hezbollah, a quem proporciona armas e financiamento.

O relatório lembra que no ano passado foi descoberto um complô para assassinar o embaixador da Arábia Saudita diante da Casa Branca, Adel al Jubeir, o que ‘mostra um renovado interesse do Irã em usar o terrorismo internacional para perseguir seus objetivos na política externa’.

Sobre a Síria, o texto analisa que ‘continua seu apoio político a uma variedade de grupos terroristas que afetam a estabilidade da região e para além dela’, mencionando o grupo libanês Hezbollah e o Hamas, a Frente pela Libertação da Palestina e a Jihad Islâmica Palestina.

Publicidade

Além disso, o relatório expressa preocupação com o aumento dos atentados na Síria durante os conflitos que começaram após manifestações ano passado contra o presidente Assad e também lembra os atentados em Damasco em dezembro do ano passado, ‘que não foram reivindicados por nenhum grupo’.

Os Estados Unidos consideram que o regime sírio tentou ‘mostrar a Síria como uma vítima de terrorismo em vez do (agente) provocador’.

O Departamento de Estado afirma que a Síria tem leis contra o terrorismo e seu financiamento, mas que ‘utilizou estes instrumentos legais contra os opositores do regime, incluindo os manifestantes políticos e outros membros do movimento de oposição’.

Além disso, aponta que essas leis não foram aplicadas contra o Hamas, o Hezbollah ou contra os diversos grupos palestinos assentados na Síria.

Publicidade

Quanto ao Sudão, incluído na lista em 1993, os Estados Unidos reconhecem que cooperou ano passado na luta antiterrorista embora o país americano o mantenha na lista por considerar que continua sendo ‘base logística’ e ‘ponto de passagem’ de extremistas violentos que vão para o Iraque e o Afeganistão.

‘Também há evidência de que extremistas sudaneses participaram de atividades terroristas na Somália’ e grupos como o Hamas e a Jihad Islâmica Palestina ‘aumentaram sua presença a partir do final de 2011’.

OS EUA consideram que um Estado é patrocinador do terrorismo quando o governo desse país ‘deu apoio em repetidas ocasiões a atos de terrorismo internacional’, explica o Departamento de Estado.

Estar nessa lista implica sanções como a proibição da venda e exportação de armas, de auxílio econômico e outros tipos de sanções e restrições. EFE

Publicidade