Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EUA iniciam ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Líbia

Os ataques estão concentrados na região de Sirte, que se transformou em um reduto dos jihadistas no país

Por Da redação 1 ago 2016, 17h27

Os Estados Unidos começaram nesta segunda-feira a lançar ataques aéreos contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na Líbia, a pedido do governo provisório do país. Os bombardeios estão concentrados na região de Sirte, uma cidade localizada entre Trípoli e Benghazi, que se transformou em um reduto dos jihadistas no país, informou o Pentágono.

O bombardeio tem como objetivo apoiar os avanços das forças locais e, segundo o porta-voz do Pentágono, Peter Cook, haverá novas operações.

LEIA TAMBÉM:
Estado Islâmico ataca campos de petróleo e de gás no Iraque
EI pune com chicotadas pessoas que têm antena parabólica na Síria
Atentado do Estado Islâmico deixa dezenas de mortos na Síria

“Não acredito ser conveniente detalhar o ritmo dos próximos ataques”, destacou Cook, que, no entanto, revelou que os futuros bombardeios seguirão um “processo de coordenação próxima” com o governo provisório líbio para alvos específicos e serão analisados pela equipe de segurança nacional do presidente Barack Obama. “Os alvos serão aqueles que devem ser atacados com precisão e para minimizar vítimas civis, em locais onde o governo provisório líbio não possa acertar”, explicou Cook.

O Pentágono afirmou que o ataque de hoje foi autorizado por Obama, após consultar o secretário de Defesa, Ash Carter, e o chefe do Estado-Maior Conjunto, Joseph Dunford. O Departamento de Defesa considerou que essa operação deveria fazer parte da estratégia para derrotar o EI dando apoio aéreo a forças locais aliadas, de modo similar ao que acontece no Iraque e na Síria, onde os bombardeios já estão ocorrendo há quase dois anos.

Cook afirmou ainda que as tropas americanas na Líbia não têm o “papel específico” de apoiar a operação em Sirte, mas que sua presença no país se limita à já anunciada iniciativa de explorar alianças com as diferentes facções leais ao governo provisório.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade