Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

EUA impõem sanções a presidente do BC iraniano

Outras três pessoas e um banco do Iraque também foram afetados; decisões vêm após saída dos EUA do pacto nuclear assinado com o Irã

Por Da Redação 15 Maio 2018, 14h57

Os Estados Unidos impuseram sanções contra o presidente do Banco Central do Irã, outros três indivíduos e um banco do Iraque como parte de programas destinados a atingir apoiadores do terrorismo global, informou o Departamento do Tesouro americano nesta terça-feira (15).

Em um comunicado divulgado em seu site, o Tesouro dos Estados Unidos disse ter sancionado o presidente do banco central iraniano, Valiollah Seif, e o banco iraquiano Al-Bilad, entre outros alvos.

Na última quinta-feira, o Tesouro americano também impôs novas sanções a uma rede que opera nos Emirados Árabes Unidos (EAU) e no Irã, dedicada ao fornecimento de centenas de milhões de dólares à Força Quds, o grupo de elite da Guarda Revolucionária iraniana.

O Tesouro chamou o Banco Central iraniano de “cúmplice” do exército de elite de Teerã, alegando que a instituição deu ao grupo militar acesso a fundos mantidos em contas bancárias no exterior.

“Pretendemos cortar as fontes de renda da Guarda Revolucionária, de onde quer que venham e seja qual for o destino”, acrescentou. Segundo o departamento, a rede em questão manejava “centenas de milhões de dólares” em transações monetárias.

Continua após a publicidade

As novas medidas, que afetam entidades iranianas e aliados, foram tomadas depois que o presidente Donald Trump anunciou, na terça-feira (8), a retirada dos Estados Unidos do pacto nuclear com o Irã e ordenou a retomada das sanções econômicas sobre o governo da República Islâmica. As medidas punitivas impostas nesta terça-feira são as primeiras desde a decisão de Trump.

Como consequência desta nova rodada de sanções, ficam congelados os ativos que essas empresas e pessoas possam ter sob jurisdição dos Estados Unidos. Qualquer transação financeira com entidades americanas também está proibida.

O acordo

Com a assinatura do pacto nuclear em 2015, em troca do comprometimento de Teerã de restringir seu programa nuclear, as seis potências (Estados Unidos,  China, Rússia, França, Reino Unido e Alemanha) retiraram as sanções econômicas que havia anos bloqueavam o Irã de negociações bancárias e petroleiras.

Além disso, deram novamente ao país permissão para comprar aeronaves comerciais e realizar negócios em outras áreas no exterior. O acordo também descongelou bilhões de dólares que Teerã tinha no exterior.

Com a saída dos Estados Unidos do acordo nuclear, Washington concedeu um prazo de entre 90 e 180 dias para que as empresas com relações comerciais com o Irã encerrem os seus negócios.

(Com Reuters, Estadão Conteúdo e EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)