Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

EUA: garoto de 12 anos com arma falsa é morto pela polícia

Menino não teria obedecido a uma ordem para colocar as mãos para o alto. Policiais foram afastados

Por Da Redação 24 nov 2014, 06h32

Um garoto de 12 anos de idade foi morto pela polícia em Cleveland, no Estado americano de Ohio. Ele levava uma arma falsa.

As autoridades afirmam que o policial disparou duas vezes depois que o menino puxou a arma da cintura e se recusou a obedecer a uma ordem para colocar as mãos para o alto.

O vice-chefe da polícia de Cleveland, Ed Tomba, acrescentou que o adolescente não fez nenhuma ameaça verbal nem apontou a arma para os policiais.

Uma pessoa havia informado a polícia que o menino estava assustando os moradores com uma arma, mas disse que não sabia se ela era verdadeira. Tratava-se de uma réplica que parece uma pistola semiautomática.

“Há um cara com uma pistola, sabe… é provavelmente falsa, mas ele está apontado contra todo mundo”, disse a pessoa que telefonou para a polícia, segundo áudio divulgado por uma afiliada da CNN.

Continua após a publicidade

Segundo a rede britânica BBC, dois policiais participaram da ação. Um deles estava em seu primeiro ano de trabalho e o outro tinha mais de dez anos de experiência. Os dois foram afastados das operações.

Eles não teriam sido informados de que a pessoa que entrou em contato com as autoridades tinha dúvidas se a arma era verdadeira ou falsa. O anel colorido que indica que uma arma é falsa também teria sido removido. O caso está sendo investigado.

O menino foi atingido no sábado e morreu no domingo. A morte ocorre no momento em que a população aguarda a decisão judicial sobre o indiciamento policial que matou o jovem negro Michael Brown em Ferguson, Missouri, em agosto.

O advogado da família do menino de Cleveland, no entanto, descartou questões raciais relacionadas ao caso – o garoto também era negro. “Essa não é uma questão de negro e branco, é uma questão do que é certo e do que é errado”, disse Tim Kucharski à rede CNN.

Leia também:

Obama pede calma em Ferguson antes da divulgação de júri

Continua após a publicidade
Publicidade