Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EUA: Ex-agentes criticam Obama por vazar dados secretos

Segundo ex-oficiais, presidente divulgou imprudentemente informações sobre a operação que matou Osama bin Laden para dar apoio à sua campanha eleitoral

Por Da Redação 16 ago 2012, 09h05

Ex-agentes da CIA (serviço secreto americano) e das forças especiais dos Estados Unidos criticaram o presidente Barack Obama, a quem acusam de ter vazado imprudentemente dados sobre a operação que matou Osama bin Laden e outras ações consideradas sensíveis. Segundo eles, a Casa Branca divulgou informações secretas com o objetivo de dar apoio à campanha eleitoral de Obama, sem levar em consideração a segurança dos espiões e soldados americanos.

O site do grupo dos ex-oficiais exibe um vídeo de mais de 20 minutos no qual retomam críticas que já haviam sido formuladas pelo candidato republicano à Casa Branca Mitt Romney e por outros membros do Partido Republicano. Para eles, Obama se apressou para tornar públicos os detalhes da operação que teve como objetivo matar Bin Laden, ao invés de “explorar plenamente o tesouro de informações” descobertas durante a missão no Paquistão. O presidente democrata sempre negou que a Casa Branca esteja por trás dos vazamentos.

A equipe de campanha de Barack Obama comparou os ataques aos recebidos pelo candidato democrata John Kerry durante a campanha presidencial em 2004. “Os republicanos voltam a usar esta velha tática porque no que diz respeito à política externa e de segurança nacional, Mitt Romney não propôs mais do que uma retórica imprudente”, destacou o porta-voz da campanha democrata, Ben LaBolt. A equipe de campanha de Obama considera a morte de Bin Laden e a política externa como pontos fortes do presidente, destacando a inexperiência de Romney na área.

O grupo de ex-espiões e militares das forças especiais, chamado Opsec, afirma não ser partidário, mas alguns de seus membros são republicanos ativos e integrantes do movimento conservador Tea Party. Scott Taylor, ex-membro do comando de elite da Marinha (Seals), identificado como presidente do Opsec, disputou uma vaga ao Congresso pelos republicanos em Virginia, em 2010, e perdeu a eleição.

Assista ao vídeo, em inglês:

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade