Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

EUA: Esquenta a corrida pela vaga republicana ao páreo presidencial

A batalha está a toda, com o ainda favorito Trump tendo de duelar com DeSantis, o governador da Flórida

Por Ernesto Neves Atualizado em 4 jun 2024, 11h19 - Publicado em 11 mar 2023, 08h00

No último fim de semana, quem chegava à Conferência de Ação Política Conservadora (Cpac, na sigla em inglês), em Maryland, nos Estados Unidos, não tinha dúvidas de quem seria a estrela-­mor do evento que, a cada ano, reúne a hoje predominante banda à direita do Partido Republicano e outros expoentes de mesmo matiz. Santinhos, camisetas e até os biscoitos vendidos na lanchonete estampavam o onipresente rosto do ex-presidente Donald Trump. Espécie de meca do ascendente conservadorismo americano, o atual encontro serviu como plataforma para divulgar a candidatura de Trump às eleições presidenciais de 2024 — corrida que, a cinco meses do início das primárias e a pouco mais de um ano do pleito, já começou a toda entre os republicanos que se digladiam pela candidatura à Casa Branca.

Um traço que une os postulantes à vaga é justamente sua afinidade com o receituário trumpista, de cunho antiglobalista e ultraconservador nos costumes, atirando sempre que possível em temas enaltecidos pela cultura woke, que, segundo eles, em nome de excessos politicamente corretos estaria deturpando o próprio espírito americano. Nessa linha de pensamento se enquadram dois republicanos já inscritos no páreo — Nikki Haley, ex-governadora da Carolina do Sul e ex-embaixadora dos Estados na ONU na era Trump, e o jovem empresário do ramo da biotecnologia Vivek Ramaswamy.

VALE-TUDO - O ex-presidente, já em campanha: enroscos na Justiça não são freio
VALE-TUDO – O ex-presidente, já em campanha: enroscos na Justiça não são freio (Alex Wong/Getty Images/AFP)

O maior desafiante ao até agora favorito ex-presidente, porém, ainda está para oficializar seu ingresso na disputa, previsto para maio: Ron DeSantis, governador da Flórida que, entre outras iniciativas, proibiu professores de cutucar discussões sobre diversidade de gênero, política batizada por adversários como Don’t say gay (não pronuncie a palavra gay). Ele ainda empreende uma campanha anti-Disney com o objetivo de tosar privilégios fiscais de uma empresa que “ameaça a família americana por seu progressismo”. Em frenéticas costuras que se desenrolam nos bastidores, Mike Pence, o ex-vice-presidente, e Mike Pompeo, o ex-secretário de Estado, também tentam se viabilizar, mas, distantes do trumpismo, largam em franca desvantagem.

Derrotado por Joe Biden em 2020, numa disputa que sustenta ter sido fraudada, Trump continua a ser o mais popular dos líderes à direita. Em recente pesquisa conduzida pelo instituto YouGov, 37% dos republicanos apoiam a candidatura do ex-­presidente, mas isso não significa, nem de longe, que ele terá vida fácil. Pois na mesma aferição DeSantis, dono de diplomas das universidades de Harvard e Yale que lhe envernizam o currículo, desponta como o preferido de 35% do eleitorado, o que configura empate técnico. Trump, que está enroscado em processos até o último fio do topete, garante que nem um eventual indiciamento da Justiça que tanto fuzila o fará desistir e segue com o habitual tom messiânico, desancando “aberrações” dentro do próprio partido. “Em 2016, eu lhes disse: sou sua voz. Hoje, vou acrescentar: sou o seu guerreiro”, afirmou no que acabou por virar um comício em Maryland, onde o ex-presidente Jair Bolsonaro aplaudia na plateia. “Trump pode ser ainda o principal nome à indicação republicana, mas não é mais o líder absoluto da sigla”, avalia o cientista político Robert Oldendick, da Universidade da Carolina do Sul.

Continua após a publicidade
FARPAS PARA QUE TE QUERO - A ex-governadora Nikki Haley: a estratégia é não entrar em confronto com Trump
FARPAS PARA QUE TE QUERO - A ex-governadora Nikki Haley: a estratégia é não entrar em confronto com Trump (Mic Smith/AP/Image Plus)

Seus oponentes tentam se equilibrar em uma delicada equação — defendem a mesma cartilha conservadora, cada qual com suas tintas, mas sabem bem que precisam se descolar de Trump. Por isso, fogem de confrontos, mas atiram farpas para todos os lados. Ex-aliada, Nikki Haley repisa a ideia de que o país deve renovar suas lideranças e agita a bandeira de que políticos acima dos 75 anos necessitam de testes cognitivos — Trump terá 78 nas eleições. Depois de vencer de lavada a disputa pela reeleição ao governo da Flórida, DeSantis, apadrinhado do ex-presidente em sua estreia, em 2018, também se põe estrategicamente afastado dele. Agora, está sacando da manga um trunfo — seu recém-lançado livro The Courage to Be Free (A Coragem de Ser Livre), no qual apresenta ponto a ponto as medidas que adotou na Flórida e quer propagandear país afora com o objetivo de ganhar impulso para o duelo presidencial. O polêmico governador se tornou mais conhecido sob os holofotes dos tempos de pandemia, quando se opôs ao isolamento social e manteve as engrenagens da economia funcionando, ainda que seu estado tenha contabilizado mais vítimas do vírus do que outros.

O descontentamento com os efeitos da globalização e o avanço das desigualdades abriram espaço para toda sorte de populismo nos Estados Unidos, descortinando uma avenida para a direita representada pelo trumpismo. O extremismo, de fato, fincou raízes mais fundas no lado republicano do que no democrata, o que se explica pela natureza da composição de cada um. “Os democratas são uma aliança multiétnica, cuja diversidade e compromisso com objetivos políticos favorecem o pragmatismo”, afirma Jim Guth, da Universidade Furman. “Já os republicanos são mais homogêneos tanto racialmente quanto ideologicamente, o que os torna mais unidos e potencialmente mais reacionários”, diz o professor. Não foi sempre assim na agremiação que surgiu em 1854, onde alas variadas debatiam entre si sem se aferrar a verdades cristalizadas, mas o processo que desaguou no que se vê hoje já vinha tomando corpo desde a gestão de Ronald Reagan, nos anos 1980. Trump só fez aprofundar a visão conservadora da história e instaurou o vale-tudo, algo de que a tão bem estabelecida democracia americana definitivamente não precisa.

Publicado em VEJA de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.