Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

EUA e Otan encerram formalmente sua missão no Afeganistão

A partir de 1º de janeiro, afegãos assumem controle da segurança nacional

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h43 - Publicado em 28 dez 2014, 09h00

Os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) vão marcar formalmente o final da guerra no Afeganistão neste domingo, com uma cerimônia em sua sede militar em Cabul, embora a insurgência combatida nesses 13 anos continue tão violenta e mortal quanto na época da invasão do país em 2011, que derrubou o regime do Talibã após os ataques de 11 de Setembro.

A cerimônia simbólica vai marcar o fim da Força Internacional de Assistência para Segurança (Isaf, na sigla em inglês), liderada pelos Estados Unidos, que passará a ter papel de apoio para as Forças Armadas afegãs, com 13.500 homens – a maioria norte-americanos – a partir de 1º de janeiro. O presidente Ashraf Ghani, que assumiu o cargo em setembro, assinou acordos de segurança bilaterais com Washington e a Otan, permitindo a presença militar dos estrangeiros.

A medida resultou num aumento da violência, já que o Talibã usou o acordo como desculpa para intensificar suas operações, cujo objetivo é desestabilizar o governo. A Isaf foi estabelecida depois da invasão liderada pelos Estados Unidos como um guarda-chuva para os cerca de 50 países da coalizão que forneceram tropas e assumiram a responsabilidade pela segurança no Afeganistão.

A missão é encerrada com um total de 2.224 soldados norte-americanos mortos, o maior saldo dentre os cerca de 3.500 militares estrangeiros que perderam a vida no país, segundo dados compilados pela Associated Press. Em 2010, número de militares estrangeiros em solo afegão chegou ao máximo, com 140 mil tropas , após ordem emitida pelo presidente Barack Obama com o objetivo de expulsar insurgentes de regiões de importância estratégica, principalmente das províncias de Helmand e Kandahar, onde o Talibã estabeleceu sua capital entre 1996 e 2001.

Os afegãos têm sentimentos confusos sobre a saída das tropas estrangeiras. Muitos acreditam que com a deterioração das condições de segurança, a presença desses militares é necessária para apoiar os esforços afegãos para levar a paz ao país, após mais de três décadas de guerra contínua.

O ano de 2014 foi violento para as forças de segurança afegãs – Exército, paramilitares e polícia – com cerca de 5 mil mortes registradas até agora. A maioria dessas mortes, cerca de 3.200, foi de policiais, segundo Karl Ake, atual diretor da EUPOL, a missão policial da União Europeia no Afeganistão, cujos recursos financiam em treinam a força policial de 157 mil homens.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que as forças afegãs estão prontas para assumir sozinhas o combate à insurgência, apesar das reclamações de oficiais a respeito da falta de meios necessários, como apoio aéreo, médico e de inteligência.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade