Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

EUA e Europa pedem um diálogo sério a Pyongyang sobre questão nuclear

Por Pedro Ugarte 5 jun 2012, 15h01

Os Estados Unidos e a União Europeia (UE) exortaram nesta terça-feira a Coreia do Norte a retomar seriamente o diálogo sobre seu programa nuclear com a comunidade internacional e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), interrompido em abril após o lançamento de um foguete por Pyongyang.

A União Europeia “exorta novamente a República Popular Democrática da Coreia a abandonar todos os seus programas existentes no domínio dos mísseis balísticos e nuclear de forma completa, irreversível e verificável”, segundo uma declaração divulgada durante a reunião do conselho dos governadores da AIEA, realizada a portas fechadas até sexta-feira em Viena.

“Pedimos fortemente a retomada do diálogo, incluindo as modalidades que permitirão um retorno da agência” ao país, do qual ela está excluída desde 2009.

Seguindo a mesma linha, os Estados Unidos pediram mostras de seriedade à Coreia do Norte. “Apenas palavras não serão suficientes. Precisamos de gestos concretos e positivos (…)”, indicaram em uma declaração.

“A AIEA e a comunidade internacional precisam de um parceiro sério, em quem elas possam confiar (…)”, insiste Washington.

Na segunda-feira, o diretor geral da AIEA, Yukiya Amano, havia indicado “contatos recentes” com a Coreia do Norte, ressaltando que um retorno dos inspetores da agência ao país não está previsto.

No final de fevereiro, os Estados Unidos haviam anunciado um acordo estabelecendo uma moratória nas atividades nucleares e balísticas de Pyongyang, em troca de uma retomada do fornecimento de ajuda alimentar ao país comunista. Como parte desse acordo, a Coreia do Norte aceitou a princípio receber novamente inspetores da AIEA em seu território.

Mas o lançamento em abril pelo governo norte-coreano de um míssil balístico, que explodiu no ar, levou a um novo congelamento das relações entre a Coreia do Norte e a comunidade internacional.

O país realizou dois testes nucleares em 2006 e 2009 e apresentou em novembro de 2010 a sua usina de enriquecimento de urânio. A Coreia do Norte fabrica suas bombas com plutônio.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês