Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

EUA: corrida para indicação republicana começa em Iowa

Por Por Emmanuel Parisse - 3 jan 2012, 22h33

Os eleitores republicanos do estado rural de Iowa escolhiam na noite desta terça-feira entre o favorito Mitt Romney e outros candidatos conservadores, iniciando o longo processo de seleção do rival de Barack Obama nas presidenciais dos Estados Unidos, em novembro.

As portas de escolas, igrejas e todo tipo de órgão público abriram para receber, a partir das 19h00 locais (22h00 de Brasília), cerca de 100 mil eleitores, divididos em 1.774 ‘caucus’.

O ex-governador de Massachussets Mitt Romney, 64 anos, aparecia levemente à frente de seus rivais Ron Paul e Rick Santorum nas pesquisas, apesar da escassa vantagem apontar para uma disputa acirrada.

Segundo uma média das últimas pesquisas realizadas pelo site RealClearPolitics, Romney recebe 22,8% das intenções de voto, seguido por Ron Paul, com 21,5%, e pelo ascendente cristão conservador Rick Santorum, com 16,3%.

Publicidade

Em seu último evento na capital do estado, Des Moines, Romney voltou a criticar nesta terça-feira a presidência do democrata Obama: “foi um fracasso no plano econômico, deve ir embora”, disse.

“Espero obter um bom resultado aqui e depois ir a New Hampshire com a mesma energia”, declarou por sua vez Santorum.

Muitos eleitores ainda estão indecisos e 41% ainda podem mudar de opinião, de acordo com uma pesquisa recente do Des Moines Register. Levando em conta a margem de erro das pesquisa – de quatro ou cinco pontos percentuais – os três candidatos que lideram a pesquisa podem sair vencedores.

Além de Romney, Paul e Santorum, entre os principais candidatos republicanos estão Newt Gingrich, Rick Perry, Michele Bachmann e Jon Huntsman, embora este último tenha optado por ignorar os “caucus” de Iowa para se concentrar nas eleições primárias de New Hampshire (nordeste) em 10 de janeiro.

Publicidade

Nesta eleição imprevisível, Richard Puhl, de 45 anos, um eleitor republicano de Des Moines, mudou de ideia e votará em Santorum. “Apoiava Michele Bachmann há até uma semana atrás. Ainda gosto dela. Seria uma boa secretária de Estado, mas não me parece pronta para conduzir este país”, disse à AFP.

Durante vários dias, os candidatos republicanos intensificaram suas campanhas em Iowa, com entrevistas aos meios de comunicação locais, uma enxurrada de anúncios de televisão e até quatro atos eleitorais diários.

Em restaurantes, cafés, bibliotecas públicas e lojas, os candidatos se reuniram com os potenciais eleitores para saudá-los e escutar suas preocupações, sempre acompanhados por jornalistas.

Os “caucus” de Iowa, um estado de três milhões de pessoas no coração das Grandes Planícies, marcam o início do processo de seleção, de um estado a outro, do candidato do Partido Republicano.

Publicidade

“Essencialmente, Iowa é importante porque é o primeiro grande teste” de popularidade dos candidatos, afirmou Tim Hagle, professor de ciências políticas na Universidade de Iowa. “Também dá aos candidatos a oportunidade de ver se são capazes de implementar uma organização que funcione”, disse.

Uma vitória em Iowa não garante a nomeação, mas multiplica as chances do candidato. Um fracasso pode ser devastador.

Depois das primárias de Iowa na terça-feira, dia 3, e de New Hampshire, em 10 de janeiro, serão realizadas as votações na Carolina do Sul (leste), em 21 de janeiro, e na Flórida (sudeste), em 31 de janeiro. No dia 6 de março uma dúzia de estados se pronunciarão no mesmo dia, conhecido como “super terça-feira”.

As primárias e o “caucus” serão realizados até o verão do hemisfério norte, embora o ganhador possa ser conhecido antes. Mas será a convenção nacional do Partido Republicano em Tampa, Flórida, de 27 a 30 de agosto, o que formalmente designará o rival de Barack Obama nas eleições presidenciais de 6 de novembro.

Publicidade