Clique e assine com 88% de desconto

EUA: chefes da inteligência negam grampos a cidadãos europeus

General chefe da NSA e diretor de Inteligência Nacional disseram que outros países, incluindo os aliados europeus, também espionam os Estados Unidos

Por Da Redação - 29 out 2013, 22h40

O chefe da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, general Keith B. Alexander, e o diretor de Inteligência Nacional, James R. Clapper Jr., negaram nesta terça-feira que o governo americano espiona milhões de ligações telefônicas de cidadãos europeus. Em uma audiência no Congresso, as autoridades afirmaram que o país não espiona civis de “forma deliberada”. “Não coletamos informações de cidadãos europeus. Isso representa informações que nós e os nosso aliados da Otan coletam para defender os territórios de nosso países e proporcionar suporte para operações militares”, afirmou Alexander, de acordo com o jornal The New York Times.

Leia também:

Obama analisa banir escutas de chefes de estados aliados

EUA alertam que Snowden possui documentos extraídos de rede militar

Publicidade

Alexander reforçou que as últimas denúncias feitas com base nos documentos vazados pelo ex-analista de inteligência Edward Snowden são “completamente falsas”. Reportagens de diferentes jornais europeus mostraram que a rede de espionagem dos Estados Unidos coleta milhões de dados de conversas telefônicas de cidadãos da França, Espanha, Alemanha e Itália. “Os relatos que levaram pessoas a acreditar que a NSA ou os Estados Unidos coletam informações são falsos. Não é verdade que essas informações foram coletadas de cidadãos europeus”, destacou. Segundo Alexander, a maior parte dos grampos em telefones é feita fora do continente europeu.

Clapper, por sua vez, não negou que os Estados Unidos espionem as comunicações de líderes estrangeiros. A postura do diretor fez com que surgisse um debate entre os deputados republicanos e democratas sobre quem havia sido informado sobre a prática. Em defesa da rede de espionagem, as autoridades americanas afirmaram que a perda de alcance do programa poderia causar “mais um catastrófico ataque parecido com o de 11 de Setembro”.

Leia mais:

França e Alemanha querem pacto antiespionagem com EUA

Publicidade

Tanto Alexander como Clapper disseram que a espionagem contra líderes mundiais é um dos pilares mantidos há décadas nos serviços de inteligência americanos. Eles afirmaram que a prática é fundamental para o governo saber quais “intenções” que outros países, incluindo os aliados, apresentam em relação aos Estados Unidos. Clapper, inclusive, reforçou a tese de que todos os países praticam a espionagem. “Esta foi uma das primeiras coisas que eu aprendi na escola de inteligência, em 1963. É um princípio fundamental”, defendeu.

Arquivos vazados por Snowden indicam que os Estados Unidos espionaram ao menos 35 líderes mundiais durante o segundo mandato do presidente George W. Bush. A administração do presidente Barack Obama também deu prosseguimento à espionagem e grampeou as comunicações de políticos como a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente mexicano Felipe Calderón e a chanceler alemã Angela Merkel. As duras críticas feitas pela União Europeia ao presidente americano também levantaram a discussão sobre a participação de Obama no programa da NSA. Segundo o jornal The Wall Street Journal, o mandatário passou quase cinco anos sem saber que os próprios espiões estavam obtendo dados dos telefones de líderes mundiais.

Saiba mais:

Cameron ameaça agir contra jornais que publicarem dados de Snowden

Publicidade

Por fim, as autoridades concordaram que é preciso tornar públicos alguns dos princípios da corte judicial que fiscaliza a aplicação Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (Fisa), de 1978. A legislação garante o respaldo necessário para a NSA operar o programa de espionagem. Alexander, no entanto, voltou a dizer que muitas das informações vazadas por Snowden foram mal interpretadas. Para Clapper, a divulgação dos documentos relacionados à Fisa ajudará a acalmar a opinião pública nos próximos dias. “Esses arquivos levarão nossos cidadãos a encarar a seriedade, dificuldade e o rigor com que a Corte da Fisa exerce as suas responsabilidades”, apontou o diretor, antes de acrescentar que a NSA só contrata “pessoas honoráveis” para trabalhar com a espionagem.

Publicidade