Clique e assine a partir de 9,90/mês

EUA: Caçador do leão Cecil volta a atender pacientes em clínica dentária

Walter Palmer foi recebido sob protestos em sua clínica na cidade de Bloomington, no Estado de Minnesota

Por Da Redação - 8 set 2015, 20h22

Sob discretos protestos, Walter Palmer, o dentista americano que matou o leão Cecil no Zimbábue, em julho, voltou ao trabalho nesta terça-feira. Ele entrou em silêncio em sua clínica na cidade de Bloomington, no Estado de Minnesota, onde alguns poucos manifestantes o aguardavam. Usando camisetas com a imagem do leão estampada, eles pediam a extradição do caçador e carregavam cartazes com os dizeres ‘Animais não são troféus’.

Em entrevista ao jornal americano Minneapolis Star Tribune, publicada no domingo, o caçador disse estar comovido pelo transtorno causado na vida de seus funcionários em sua clínica dentária. “Eu tenho muitos funcionários e estou um pouco de coração partido pela interrupção de seus trabalhos”.

Leia mais:

Caçador de Cecil: de dentista anônimo a um dos homens mais odiados do planeta

Continua após a publicidade

Zimbábue pede extradição do dentista americano que matou leão Cecil

Empresas aéreas dos EUA proíbem transporte de troféus de caça após morte de leão Cecil

A clínica permaneceu fechada durante semanas depois que o nome de Walter Palmer veio a público. No final de agosto, o estabelecimento reabriu sem sua presença. Na entrevista publicada no final de semana, o dentista-caçador revelou que voltaria ao trabalho. “Sou um profissional da saúde. Preciso voltar para minha equipe e para meus pacientes. Eles me querem de volta”, disse.

No início de julho, Palmer caçou com arco e flecha, matou e arrancou a cabeça do leão Cecil, no Zimbábue. Antes, com a ajuda de seus guias, ele atraiu o animal para fora da proteção do parque com uma isca.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade