Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EUA avistam artilharia chinesa em ilha artificial na Ásia

Por Da Redação 29 Maio 2015, 17h15

Os Estados Unidos avistaram veículos de artilharia pesada em uma das ilhas artificiais que a China está construindo no Mar da China Meridional. A descoberta aumenta a tensão entre os dois países, uma vez que Washington acusa Pequim de planejar usar os novos territórios para fins militares.

Leia mais:

Jornal estatal chinês diz que guerra entre China e EUA pode ser inevitável

China ameaça avião dos EUA em águas internacionais

Os veículos foram descobertos há um mês. Um oficial americano, porém, informou que eles podem estar escondidos ou foram removidos da ilha, pois não aparecem mais nas imagens de satélite e nos voos de reconhecimento na região, de acordo com o jornal New York Times.

O secretário de Defesa americano, Ashton Carter, que está em Singapura para uma cúpula de segurança internacional, declarou que os Estados Unidos não reconhecem as ilhas chinesas e que as Forças Armadas americanas não pretendem deixar de operar na região. ” Nós sobrevoamos o Mar da China Meridional há anos e anos e anos e vamos continuar sobrevoando, navegando e operando”, disse Carter.

O senador republicano John McCain disse à agência Reuters que Pequim está violando leis internacionais. “Nós não teremos um conflito com a China, mas podemos tomar medidas para desestimular o país a continuar com essas atividades”, disse o ex-candidato à presidência americana, derrotado por Barack Obama nas eleições de 2008.

Na semana passada, a Marinha chinesa ameaçou um avião militar americano que sobrevoava a região. A ameaça chinesa também poderá se estender à aviação civil. Era possível flagrar na mesma frequência de rádio um piloto de um voo comercial que teve de se identificar para a Marinha chinesa após receber alerta semelhante ao enviado para o avião americano. Para Washington, a tendência é que a China se torne cada vez mais agressiva se continuar expandindo as ilhas artificiais oceano adentro.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade