Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA ameaçam expulsar Rússia do G8 devido a crise na Ucrânia

Secretário de Estado chama intervenção russa no país vizinho de "inacreditável ato de agressão"

(Atualizado às 19h00)

O secretário de Estado americano, John Kerry, afirmou neste domingo que a Rússia pode perder seu lugar no G8, grupo que reúne os países mais desenvolvidos do mundo, por causa do envio de tropas à península ucraniana da Crimeia. O secretário também ameaçou a Rússia com sanções econômicas. Kerry viajará a Kiev na terça-feira para avaliar a situação no país.

O americano avisou ao presidente Vladimir Putin que “ele não terá uma Sochi G8. E que poderá até não continuar no G8 se essa situação prosseguir. Pode se deparar com ativos congelados de empresas russas, empresas americanas poderão se retirar do país, o rublo poderá ser afetado”, disse em Kerry, se referindo à reunião do G8 que está prevista para ocorrer em junho, na cidade russa de Sochi. Neste domingo, os EUA, a França e a Grã-Bretanha já anunciaram que não vão enviar representantes para um encontro prévio, previsto para esta semana, que deve discutir os preparativos da reunião.

Leia também:

Ações da Rússia ameaçam a paz na Europa, diz Otan

Operação militar russa é “declaração de guerra”, diz premiê da Ucrânia

Ucrânia mobiliza tropas e EUA discutem reação à Rússia

“Se a Rússia quer ser um país do G8, precisa agir como tal, disse Kerry à rede CBS. O secretário também classificou a ação da Rússia na Ucrânia como um “ato de agressão”. “É um inacreditável ato de agressão. É realmente assombroso que o presidente (Vladimir) Putin tenha optado por invadir outro país. A Rússia está violando a soberania na Ucrânia. A Rússia está violando suas obrigações internacionais”, acrescentou o secretário norte-americano.

Saiba mais:

​Por que UE e Rússia querem tanto a Ucrânia?

Ucrânia, um país com um histórico de tragédias

“Você simplesmente não se comporta no século XXI como se estivesse no século XIX, invadindo outro país com motivos completamente falsos”, disse Kerry. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, não comentou as declarações de Kerry, afirmando que o governo russo “não tem comentários neste momento”.

No final da tarde, Secretário-Geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen, pediu que a Rússia recue suas tropas para as bases; “Nós pedimos à Rússia que para diminuir a escalada de tensão e recue suas tropas para as bases e abstenha-se de qualquer interferência na Ucrânia”, disse. Rasmussen ainda pediu que os dois lados procurem o diálogo.

Pouco depois, o governo alemão informou que Putin aceitou a proposta do país para o estabelecimento de uma “missão de averiguação” sobre a situação na Ucrânia, possivelmente sob a liderança da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). A chanceler alemã, Angela Merkel, acusou Putin de violar a legislação internacional com a “inaceitável intervenção russa” na Ucrânia, disse o porta-voz da Alemanha.

(Com agências Reuters e France-Presse)