Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

EUA admitem que Coreia do Norte não iniciou processo de desmonte nuclear

Trump e Kim assinaram em junho declaração que abre portas para a desnuclearização da Península Coreana

O governo dos Estados Unidos admitiu nesta terça-feira 7 que a Coreia do Norte não começou o processo de desmonte de suas estruturas nucleares, dois meses após o histórico encontro dos presidentes dos dois países, Donald Trump e Kim Jong-un.

John Bolton, assessor de segurança nacional do presidente americano, disse que a Coreia do Norte não fez progressos adequados para acabar com seu programa nuclear.

“Os Estados Unidos cumpriram a declaração de Singapura. Só a Coreia do Norte não deu os passos que consideramos necessários para que se desnuclearize”, afirmou Bolton em entrevista à rede de televisão Fox News.

Na histórica cúpula de 12 de junho, em Singapura, Trump e Kim assinaram uma declaração que abre as portas para a desnuclearização da Coreia do Norte. Em troca, os Estados Unidos deveriam conceder garantias para a sobrevivência do país asiático

O acordo, contudo, não especifica mecanismos ou prazos concretos para que esses objetivos sejam alcançados.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou em julho no Congresso que a “desnuclearização completa e verificada” da Península Coreana deve ser concluída antes de 2020, quando termina o primeiro mandato de Trump.

Nos últimos dias, a Casa Branca manifestou a intenção de manter as pressões diplomática e econômica sobre a Coreia do Norte, depois que foi revelado um relatório confidencial das Nações Unidas que garante que Pyongyang continua desenvolvendo programas nucleares e de mísseis.

O ceticismo sobre a desnuclearização da Coreia do Norte aumentou nos Estados Unidos desde que alguns veículos de imprensa informaram no fim de junho, citando fontes de serviços de inteligência, que o país asiático continuou enriquecendo urânio após o encontro entre Trump e Kim, e que estaria tentando esconder dos olhos de Washington boa parte do seu arsenal.

(Com EFE)