Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA: 575 pessoas presas em ocupação no Senado contra política imigratória

Manifestantes se recusaram a deixar prédio do governo americano; parlamentar também foi detida

Por Da Redação
28 jun 2018, 21h47

Quase 600 manifestantes foram presos durante uma ocupação de um prédio de escritórios do Senado dos Estados Unidos em Washington nesta quinta-feira (28), quando condenaram com gritos a posição de “tolerância zero” do presidente americano Donald Trump sobre imigração ilegal.

Os manifestantes, em sua maioria mulheres vestidas de branco, estavam sentados no chão de mármore do edifício do Senado e se enrolaram em cobertores de prata, semelhantes àqueles dados a crianças imigrantes separadas de suas famílias por agentes de imigração dos Estados Unidos.

Suas palavras de ordem “falem alto, falem claro, imigrantes são bem-vindos aqui” ecoaram pelo prédio, atraindo funcionários do Senado ao mezanino superior, de onde assistiram ao protesto.

A Polícia do Capitólio alertou os manifestantes que seriam presos se não deixassem o prédio. Logo depois, os ativistas foram enfileirados contra uma parede em pequenos grupos e a polícia confiscou seus cobertores e placas.

Levou cerca de 90 minutos para a polícia prendê-los e encerrar o protesto. A parlamentar Pramila Jayapal, uma democrata, sentou com os manifestantes e também foi presa.

Continua após a publicidade

Em nota, a Polícia do Capitólio disse que cerca de 575 pessoas foram indiciadas por manifestação ilegal e que seriam processadas no local e soltas. Eles disseram que pessoas que foram acusadas e multadas poderiam pagar 24 horas após sua prisão, mas não ficou claro quem foi multado e em quanto.

As senadoras Mazie Hirono, Tammy Duckworth, Kirsten Gillibrand e o senador Jeff Merkley, democratas que têm criticado as políticas de imigração de Trump, passaram pela polícia e conversaram com algumas das mulheres. Gillibrand levantou uma placa que dizia: “Acabar com detenções agora”.

A Marcha das Mulheres, um movimento iniciado quando Trump tomou posse em 2017 e se disseminou mundialmente, pediu às mulheres que corressem o risco de ser presas no protesto desta quinta-feira.

Continua após a publicidade

Antes de chegar ao Capitólio, o protesto passou pela avenida Pensylvannia, parando para entoar “Vergonha! Vergonha! Vergonha!” diante do Trump International Hotel.

A Marcha das Mulheres é parte de uma onda de ações contra Trump, cuja gestão começou a processar em maio todos os adultos que cruzem a fronteira sem autorização.

Mais de 2.000 crianças que chegaram ilegalmente nos Estados Unidos com parentes adultos foram separadas de suas famílias e colocadas em centros de detenção ou com famílias adotivas no país.

Nesta semana, um juiz federal da Califórnia emitiu uma ordem para obrigar o governo Trump a devolver mais de 2.000 crianças imigrantes a suas famílias em um prazo de 30 dias. No caso de crianças menores de cinco anos, o prazo cai para 14 dias.

Continua após a publicidade

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.