Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Eu já teria caído sem o apoio da população síria’, diz Assad

Ditador insiste que EUA lideram o apoio à oposição para culpá-lo pelo conflito

Por Da Redação
5 jul 2012, 15h30

O ditador da Síria, Bashar Assad, insistiu que possui apoio popular em seu país e afirmou que a intervenção estrangeira ocorre principalmente para culpá-lo pelo conflito, em uma entrevista ao jornal turco Cumhuriyet, publicada nesta quinta-feira. “Eu já teria caído sem o apoio da população síria”, disse. “Os poderes internacionais liderados pelos Estados Unidos deveriam parar de apoiar a oposição.”

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

“No fim das contas, nós somos humanos também. Podemos cometer erros”, afirmou, referindo-se à forma como sua administração reagiu aos protestos públicos que tiveram início em março do ano passado. O mandatário insistiu, porém, que a intervenção estrangeira é a responsável pelo conflito em seu país e acusou agentes internacionais de financiarem os protestos. “Qualquer intervenção estrangeira aumenta nossos próprios erros e isso é ainda mais destrutivo”, completou.

Assad também acusou países vizinhos, citando a Turquia, de dar apoio logístico aos rebeldes. O ministro das Relações Exteriores turco, Ahmet Davutoglu, desmentiu a acusação e chamou Assad de mentiroso, em uma resposta também publicada pelo Cumhuriyet nesta quinta-feira. “É impossível acreditar em Assad, depois de ele ter assassinado 20.000 pessoas em um ano”, afirmou Davutoglu.

Continua após a publicidade

Turcos – A Turquia abriga o principal corpo de operação dos rebeldes do Exército Livre da Síria, que lidera as operações dentro do país vizinho sob a liderança do coronel Riad Assad. A Turquia tem negado reiteradamente que permita ataques à Síria feitos a partir de seu território e insiste que não dá nenhum tipo de apoio ao Exército Livre da Síria, como alegado pelo país e divulgado na imprensa internacional.

No entanto, um grupo de oficiais sírios e desertores do Exército de Assad chegou à Turquia há algumas semanas. A Turquia também abriga 35.000 sírios que fugiram das rebeliões em seu país. Na quarta-feira, o Exército turco anunciou que havia recuperado os corpos de dois pilotos de um caça turco derrubado pela Síria no mês passado, no oeste do mar Mediterrâneo.

(Com agência France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.