Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estudantes homenageiam adolescente morto em protestos

Manifestantes também prometeram abrir diálogo com o governo na terça-feira

Por Da Redação 29 ago 2011, 13h17

Enquanto se preparam para dialogar com o governo pela primeira vez em três meses de protestos, os estudantes chilenos irão prestar uma homenagem ao adolescente morto na madrugada de sexta-feira, após mais uma noite violenta pelas ruas do país.

Entenda o caso

  1. • Em maio, estudantes chilenos tomaram as ruas do país para protestar contra a má qualidade do ensino – e as manifestações seguem ocorrendo quase que diariamente.
  2. • Entre as reivindicações, das quais recebem apoio da maioria da população, exigem principalmente educação gratuita.
  3. • Em resposta, o presidente, Sebastián Piñera, lançou um plano de reforma para o setor, que amplia bolsas de estudos e créditos a taxas baixas a alunos pobres, mas a proposta não foi bem recebida.
  4. • No dia 26 de agosto, os confrontos entre polícia e manifestantes causaram a primeira morte: um adolescente de 16 anos, que foi baleado durante a greve geral (quando centrais sindicais se uniram aos jovens).

Leia mais no Tema ‘Protestos no Chile’

A primeira vítima fatal dos confrontos entre manifestantes e a polícia foi Manuel Gutiérrez, de 14 anos, baleado durante a paralisação geral de 48 horas executada na semana passada. Segundo os estudantes, os tiros que mataram o adolescente partiu de uma arma dos agentes de segurança. Esta segunda-feira é dedicada a ele.

Na terça, um grupo representando os estudantes vai se reunir com o governo para tentar resolver o impasse. Os manifestantes reivindicam garantias sobre os pontos considerados essenciais para a reforma da educação no país e mais investimentos para o setor, considerado de má qualidade.

“Esperamos que o encontro nos dê a garantia de avanços, porque é isso que queremos”, disse o presidente da Federação de Estudantes da Universidade Católica (Feuc), Giorgio Jackson.

O presidente chileno, Sebastián Piñera, pediu aos estudantes “boa vontade” para “não agravar o problema”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)